correr por quem não pode