A velhinha que vendia droga

Autor: António Pinheiro  /   Dezembro 10, 2020  /   Publicado em Passa-se isto assim assim
Tags: opiniões

António PinheiroUm carro a alta velocidade atropelou uma velhinha em frente a uma escola. O carro ía a alta velocidade, porque o condutor teve um ataque fulminante, morreu ao volante, ficando o acelerador preso e o carro descontrolado.

A velhinha não era velhinha, mas uma jovem traficante disfarçada.

A jovem traficante não foi à escola vender droga, mas dar dinheiro aos irmãos mais novos para o almoço. Eram órfãos de pai e mãe e era ela que cuidava da família.

Confuso?

Perante uma situação, rapidamente tiramos conclusões, rapidamente julgamos, rapidamente condenamos. Erguemos o dedo e apontamos, ao condutor assassino, à traficante de estupefacientes.

É difícil ter a capacidade de distanciamento que nos permita ver o filme todo: porque é que o carro ia em excesso de velocidade? O que é que a dealer estava a fazer à porta de uma escola?

Mas ficamos todos vaidosos cheios de certezas e envergonhados com a dúvida, quando deveria ser o contrário.

A dúvida é um grande motor do conhecimento, do crescimento, da evolução.

As certezas dão-nos segurança, mas levam-nos ao erro.

As caixas de comentários da internet estão cheias de pessoas cheias de certezas a vomitar ódio e julgamentos fáceis. As nossas próprias vidas estão cheias de pessoas assim, de dedo em riste, a avisar-nos, julgar-nos e condenar-nos.

Eu estou para aqui a falar mas, muitas vezes, também sou assim. Não seremos todos?

Eu estou muito certo das milhares de dúvidas que tenho.

Leia também ...  Este ano morreu gente, que nunca tinha morrido antes

Sobre António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.
Provas de atletismo em estrada

Comentários encerrados.

X