Quantas rodas preciso para me mover?

Autor: Rui Cavaco  /   Novembro 02, 2020  /   Publicado em Passa-se isto assim assim
Tags: ciclovias, mobilidade, porto

Rui CavacoO Porto é cidade de mitos e lendas. Dois mitos acerca de transportes foram afincadamente apregoados ao longo de anos.

Num deles garantia-se que o subsolo da cidade seria feito de um granito demasiadamente duro para poder vir a suportar um sistema de metro subterrâneo.

Numa versão alternativa, o impedimento iria residir nas águas subterrâneas. Em Junho de 2004 o mito desfez-se com a inauguração do nosso bem conhecido (e muito usado) sistema de metro ligeiro.

Outro mito muito difundido é o que nos diz que a cidade não é minimamente ciclável.

Ao contrário do “terrível” granito das profundezas do nosso subsolo – que não poderia ser perfurado – podemos bem observar um acentuado declive em ruas importantes do centro como as ruas de Camões, de 31 Janeiro, da Boavista, de Mouzinho da Silveira e de tantas outras, e que parecerá bem ameaçador aos novos candidatos a ciclistas urbanos. Igualmente ameaçador é o congestionamento do tráfego automóvel, deixando reduzido espaço para a circulação dos velocípedes, mesmo até onde já existem ciclovias. Além da exiguidade do espaço disponível para circular, os corajosos ciclistas enfrentarão ainda dois inimigos de respeito: uma atmosfera poluída pelos gases de escape e a coexistência com os excessos de velocidade com que o automobilista tenta (sem sucesso) ganhar alguns segundos entre paragens em cruzamentos e em semáforos vermelhos sucessivos.

Acrescentando a isto a irregularidade de alguns pisos ainda empedrados, a falta de civismo frequente dos automobilistas (1) e o clima chuvoso em metade do ano, percebemos bem que a ideia do Porto ser ciclável possa ainda parecer um mito a muitos.

Contudo, os benefícios de circular em bicicleta podem, na realidade, compensar largamente os aparentes malefícios.

Os benefícios em forma física são dramáticos. O tempo de deslocação rivaliza ou chega a ultrapassar o do automóvel, sobretudo nas horas de ponta em que o automóvel pode passar mais tempo parado do que em movimento. Num trajeto sem grandes subidas, é fácil chegar a demorar metade do tempo que levaríamos em automóvel, ainda mais diminuído por não ser necessário encontrar lugar de estacionamento.

Quanto ao clima, na verdade o Porto tem em média cerca de 216 dos dias de um ano sem chuva, ou seja 60%. Além disso, uma pessoa numa forma física mediana e uma bicicleta adequada consegue vencer as ruas mais declivosas (com mais ou menos suor). Para ajudar a vencer os declives, existem hoje várias soluções de tracção elétrica e também subsídios para a sua compra. Os estudantes universitários da cidade são alvo de um programa específico de incentivo à circulação em bicicleta elétrica. Existem também inúmeras soluções para o transporte daquelas pequenas cargas que levaríamos connosco num saco ou numa mochila se circulássemos a pé.

Só fica a faltar ter uma atmosfera menos poluída e diminuir os riscos na circulação. Isso só é possível pela conquista de espaço ao automóvel. Para esse efeito, finalmente, desde este verão que o município do Porto esta a investir de forma intensiva na materialização de ciclovias.

Para quem está desejoso de experimentar, quem quer usar ocasionalmente, quem não chegou a ganhar grande experiência de bicicleta na juventude ou ainda quem, de qualquer outra forma, não tem confiança suficiente para enfrentar a preponderância – tantas vezes tão agressiva – do automóvel nas nossas ruas, a existência duma infraestrutura ciclável significativa é o “empurrão” que falta para sair usufruindo do prazer que é circular no Porto de bicicleta.

Garantidas as condições mínimas, depois de experimentar, será difícil de voltar atrás …

Nota: (1) – infelizmente muitas vezes acompanhado de igual falta de civismo de alguns ciclistas mais agressivos

Leia também ...  Porto City Race

Sobre Rui Cavaco

Com formação de urbanista, profissionalmente ligado às tecnologias de informação geográfica, é um entusiasta do uso frequente da bicicleta e do transporte coletivo e um assumido entusiasta pelos caminhos de ferro.
Polipromotion

One Comment

    X