Não é nada top, estares sempre a dizer top

Autor: António Pinheiro  /   Novembro 04, 2020  /   Publicado em Passa-se isto assim assim
Tags: top

António PinheiroE pronto: nunca nenhuma crónica minha ficou tão bem resumida só pelo título.

Muito obrigado e bom dia!

Já que insistem, eu desenvolvo.

Irrita. É equivalente ao raspar de unhas num quadro de ardósia, ou ao zumbido de uma melga numa noite quente de Verão.

Enerva. Como quando estamos atrasados e o trânsito na Arrábida não se mexe.

Desespera. Como quando queremos correr num sonho e não saímos do sítio. (pensando bem, não é só nos sonhos…)

Não tenho nada contra estrangeirismos na Língua Portuguesa (ou não teria a profissão que tenho). Não tenho nada contra quem encontra noutras línguas, melhores palavras para se expressar (também o faço).

Mas um dia destes vou parar a Custóias, por causa da malta que usa top (e não estou a falar da peça de roupa) por tudo e por nada!

Não há mais pachorra e, no entanto, há pelo menos uns vinte e quatro adjectivos polissilábicos que podem substituir a palavra top.

Lembram-se quando eram miúdos e ficavam todos contentes de aprender uma palavra nova? (aconteceu-nos a todos, certo?)

Então, porque raio decidem voltar para as cavernas e reduzir toda a vossa expressão oral a um único vocábulo, que mais parece uma onomatopeia?

Pronto… Desabafei. Agora estou mais leve.

Sobre António Pinheiro

Profissional de marketing, músico e corredor por prazer. Corre na estrada, no monte e de um lado para o outro na vida, atrás e à frente dos filhos.
Polipromotion

Comentários encerrados.

X