Maratona: para que tempo deverei correr?

Autor: Vitor Dias  /   Outubro 16, 2018  /   Publicado em Notícias  /   9 Comentários

Maratona: para que tempo deverei correr?“Para quanto vais?” é uma frase comum entre atletas de pelotão. Se os mais experimentados saberão o ritmo a adoptar tendo como objectivo apenas finalizar a prova ou atingir determinado tempo, já os estreantes não saberão muito bem qual a velocidade a impor e dizer à família a que horas cortarão a meta ou chegarão a casa.

Na minha opinião, a maratona é uma prova muito táctica. Aos estreantes aconselho prudência no que respeita ao ritmo a adoptar. Terão muito tempo e muitas provas para fazer melhor tempo do que na vossa primeira experiência nesta distância. Vão com calma e lembrem-se que concluir a prova é o principal objectivo. Seja qual for o tempo final, irá ser algo que nunca conseguiram, por isso o êxito é garantido.

Mas qual deverá ser o ritmo que deverei adoptar? A tabela seguinte mostra-nos em termos teóricos qual o tempo que poderemos fazer com base no nosso tempo à meia maratona. É uma tabela meramente indicativa mas que poderá dar uma ideia do tempo a alcançar. Com base no seu tempo na(s) última(s) meias maratonas (*), veja o tempo possível na maratona. Não fique obcecado pelos tempos indicados, fique apenas com uma ideia. Corra com prazer e usufrua da corrida, da paisagem, da presença do público, dos pontos de animação. Faça deste dia um dia inesquecível pelas melhores razões.

½ Maratona* Maratona

1,03.00            2,13.00
1,06.00            2,20.00
1,07.30            2,23.30
1,09.00            2,27.00
1,10.30            2,30.30
1,12.00            2,34.00
1,13.30            2,37.30
1,15.00            2,41.00
1,16.30            2,44.30
1,18.00            2,48.00
1,19.30            2,51.30
1,21.00            2,55.00
1,22.30            2,58.30
1,24.00            3,02.00
1,25.30            3,05.30
1,27.00            3,09.00
1,28.30            3,12.30
1,30.00            3,16.00
1,31.30            3,19.30
1,33.00            3,23.00
1,34.30            3,26.30
1,36.00            3,30.00
1,37.30            3,33.30
1,39.00            3,37.00
1,40.30            3,40.30
1,42.00            3,44.00
1,43.30            3,47.30
1,45.00            3,51.00
1,46.30            3,54.30
1,48.00            3,58.00
1,49.30            4,01.30
1,51.00            4,05.00
1,52.30            4,08.30
1,54.00            4,12.00
1,55.30            4,15.30
1,57.00            4,19.00
2,00.00            4,26.00
2,03.00            4,33.00
2,06.00            4,40.00

Agradecimento: Luis Sousa Pires

Este artigo foi publicado por nós no dia 01.Nov.2011

Provas de Trail

9 Comentários

  1. Meixedo 1 de Novembro de 2011 11:33

    Bem, com base nesta tabela, passo as 4horas; isto se conseguir alinhar à partida …
    Um abraço.

  2. Fernando Andrade 1 de Novembro de 2011 21:09

    Sendo importante a referência do tempo que se consegue fazer à meia maratona, não é menos importante o grau de confiança em função da preparação feita.É importante chegar-se à meia maratona com “folga” para se fazer a 2ª parte com algum conforto. Se se chega à meia dentro do tempo que se queria, mas em esforço, é mais que certo que o “estoiro” está aí a qualquer momento e, para concluir a maratona terá que se penar muito. Como o Vitor diz no texto, o principal para um estreante é concluir a prova em “bom estado” seja qual for o tempo, pois o pior que poderá acontecer a um candidato a maratonista é ficar com o trauma de não ter conseguido. À primeira conhece-se a distância; à 2ª com a 1ª em mente, há que fazer algumas rectificações (mas vão cometer-se outros erros); à 3ª acertam-se os da 2ª, mas voltam a cometer-se algumas das falhas da 1ª; … à 30ª já se tem a mania que isto é canja e fazem-se asneiras antigas e novas.
    Em suma, o encanto da Maratona é lidar-se com os imprevistos que acontecem, principalmente a partir dos 25, quando parece que tudo vai bem, mas de um momento para o outro, tudo pode transformar-se.
    Com todo o prazer irei estar na 8ª Maratona do Porto, para saborear cada km, da ligeireza dos primeiros à penosidade dos últimos. A “resultante do sistema” será a glória indescritível de passar a meta e dizer : CONSEGUI.

  3. João Correia 1 de Novembro de 2011 22:43

    Na minha modesta opinião, mais importante do que a tabela apresentada, importa “escutar” os registos que o corpo vão produzindo ao longo dos treinos de preparação para a mesma. Partindo do princípio que todo aquele que de forma consciente se prepara para uma distância destas realizou treinos longos, e com isto refiro-me a distâncias acima dos 21 kms, nada melhor para ter uma ideia do tempo final a alcançar do que ter presente os tais registos que o corpo foi efetuando em situação de treino. No ano passado aconteceu-me isso e sabia de antemão quanto iria fazer. Acertei na muche, porque sabia qual o meu ritmo e qual a minha condição. Já este ano decidi não participar porque me bastou um fator da tal condição para estar consciente de que este ano não iria chegar ao fim. Concordo em absoluto que mais importante que o tempo, é mesmo concluir, e de preferência com um sorriso nos lábios, isto é, sem ser em falência fisiológica, física ou mental. Daí a importância da preparação consciente. Há medida que a idade avança, nada melhor que uma boa experiência, mesmo que em último, que um excelente tempo e uma má experiência.
    Boa maratona

  4. Luis Sousa Pires 2 de Novembro de 2011 13:30

    Tabelas, valem o que valem… estas e outras. Estou de acordo com as opiniões aqui expressas e achei piada ao Fernando Andrade – meu colega totalista no Porto – dizer que não vale muito a pena preocuparmo-nos com os erros, pois, antigos ou novos, aparecem sempre. Toda a vida ouvi dizer a minha Mãe: – “Estamos sempre a aprender, e morremos sem saber”, e é verdade! Mas como sou um fervoroso adepto dos rácios e estatísticas, gosto de analisar este tipo de tabelas, que sempre acrescentam alguma coisa. Bom! Vou tentar não cometer muitos erros no Domingo – na melhor Maratona do Mundo – mas também se não os cometer, fica a faltar qualquer coisa…

  5. Vitor Dias 3 de Novembro de 2011 13:39

    Concordo plenamente com os 3 autores dos comentários anteriores. É um privilégio ter comentários desta qualidade. O importante é no próximo domingo cortarmos a meta e manter a vontade de o fazer ainda por muitas mais vezes. Bem-vindos à cidade invicta. Boa prova.

    Vitor Dias

  6. Lopes Fafe 3 de Novembro de 2011 16:58

    Faz parte da história determinadas façanhas, e são estas que ficam registadas para sempre, e eu querias poder ler a partir de domingo. Aos estreantes só queria dizer-lhes que não falhem os abastecimentos, pois é preferivel perder 2 ou 3 segundos. A todos uma boa prova, não esquecendo o Drº. Paulo Brandão que se vai estrear e que eu solicitava que contasse aqui neste blog esta sua aventura.
    A todos um abraço
    João Lopes

  7. Paulo Brandao 3 de Novembro de 2011 20:41

    Caro Joao Lopes
    Acabei de fazer um treino em que tive o privilégio da companhia do Vitor Dias que me referiu o seu comentário.
    Não queria deixar de lhe agradecer a lembrança e o apoio.
    Espero que esteja rapidamente recuperado para voltar a fazer-nos companhia.
    Abraço
    Paulo Brandao

  8. Carlos Cardoso 7 de Novembro de 2011 12:35

    Muito bom dia a todos,
    só para dizer que acabei ontem a minha primeira maratona (espero que seja a primeira de muitas) e o sentimento de cortar a meta ao fim de 4horas é indiscritivel. Fiquei muito satsifeito primeiro por terminar, depois por chegar nas 4 horas, mas tb por conseguir chegar ao fim mais ou menos em condições aceitáveis – não necessitei de parar nenhuma vez e consegui manter um ritmo certo de inicio ao fim. Li muito sobre as experiências de outros maratonistas e estava um pouco ansioso para ver como o corpo reagia a partir dos 30-32km – foi muito duro, as pernas estavam duras e pesadas e com a ajuda de um outro atleta que me desafiou quando eu psicologicamente já estava a baixar, lá conseguí dar continuidade no ritmo a que vinha. Os últimos 3 kms foi um esforço muio grande, mas saber que estava tão perto deu-me alento para não baixar. Adorei, e embora esteja com dores no corpo todo já estou a pensar na próxima (talvez Madrid), e para o ano no Porto lá estarei se Deus quiser.

  9. Carlos Cardoso 7 de Novembro de 2011 12:36

    Muito bom dia a todos,
    só para dizer que acabei ontem a minha primeira maratona (espero que seja a primeira de muitas) e o sentimento de cortar a meta ao fim de 4horas é indiscritivel. Fiquei muito satsifeito primeiro por terminar, depois por chegar nas 4 horas, mas tb por conseguir chegar ao fim mais ou menos em condições aceitáveis – não necessitei de parar nenhuma vez e consegui manter um ritmo certo de inicio ao fim. Li muito sobre as experiências de outros maratonistas e estava um pouco ansioso para ver como o corpo reagia a partir dos 30-32km – foi muito duro, as pernas estavam duras e pesadas e com a ajuda de um outro atleta que me desafiou quando eu psicologicamente já estava a baixar, lá conseguí dar continuidade no ritmo a que vinha. Os últimos 3 kms foi um esforço muio grande, mas saber que estava tão perto deu-me alento para não baixar. Adorei, e embora esteja com dores no corpo todo já estou a pensar na próxima (talvez Madrid), e para o ano no Porto lá estarei se Deus quiser.
    Cts para todos

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2018 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.