Correr em trails vai arruinar a sua vida!

Autor: Andreia Ribeiro  /   Janeiro 16, 2018  /   Publicado em Crónicas, Notícias, Slider  /   6 Comentários

Correr em trails vai arruinar a sua vida!Se é um devoto corredor de montanha de certeza que sorriu quando leu este título.  Se prefere antes correr no asfalto e pensa que finalmente os trail runners admitem a derrota, fique por perto e leia o resto do artigo. Vou partilhar consigo algumas formas de o trail running arruinar a sua, e a minha, vida e de como adoramos isso!

O trail running vai arruinar os seus recordes pessoais

Mede o sucesso nas corridas de estrada pelo record pessoal que atinge nos 10 km ou na meia maratona que acabou de fazer? “Claro, em cada prova tento sempre bater o meu melhor tempo para me superar”. Pois, se esta é a sua resposta, o trail running vai rapidamente mudar a sua perspetiva e conceito de record. No trail running o que importa é a altitude máxima a que se correu, e não o tempo final de prova. Não há duas provas iguais por isso não há comparação de tempos. Os trail runners que não lutam pelo pódio ficam contentes em apenas terminar a prova disfrutando da paisagem e de tudo que os rodeia.  Assim, um record pessoal pode também ser o número de rios que atravessou, as poças de lama que enfrentou ou número de quedas que sofreu. É por isso que para um trail runner uma medalha no fim tem um significado maior, 8 horas a correr monte acima e monte abaixo, merece mais que uma cerveja. E sabe que mais? Essas 8 horas são a recompensa maior, fator de orgulho e a melhor forma de se gabar aos seus amigos à segunda-feira. E isto é viciante…..

O trail running vai arruinar o seu orçamento pessoal

O explorador que há em si vai acordar quando começar a correr nos trails. Longe vão ficar os tempos em que ficava contente apenas por correr atrás de outro corredor por entre a selva de cimento da sua cidade. Quando der o primeiro passo e terminar o seu primeiro trail não vai parar mais e procurar o próximo desafio. “Ah e tal, isso não é para mim.” Eu também pensava assim até ao dia em que calcei as sapatilhas de trail e pus os pés na terra. Mais longe, mais técnicos, mais longos, duros e altos, é isto que vai começar a desejar cada vez mais, pois explorar pedaços do globo ainda por explorar vai ser mais desafiante do que galgar o asfalto em busca de um record pessoal. E quando der por si, está a poupar para bilhetes de avião, inscrições em trails no estrangeiro, estadias, equipamento. E não era um trail runner quando tudo isto começou….

O trail running vai arruinar a sua imagem pessoal

Achava que era um corredor fantástico porque terminava uma prova de 10000 pessoas entre as 5000 primeiras? “Claro, eu esforço-me ao máximo e tenho que terminar no top 10 da minha categoria!”. O trail running vai fazê-lo mudar de ideias. Aqui, é muito mais realização pessoal do que comparação da sua prestação com os restantes atletas, por isso numa prova com 250 atletas fica-se realmente contente em terminar em 249, pois é sinal de superação. Estar presente na linha de partida é 90% do desafio. Depois disso, é pura diversão e alegria à medida que se testa o corpo e mente perante os obstáculos do caminho. Passa-se bastante tempo sozinho num trail. Não existem pessoas ao longo do caminho a apoiar, por isso aprende-se a depender apenas de nós e a conhecer a nossa capacidade de uma forma nunca antes feita.

O trail running vai arruinar a sua organização familiar

Achava que lidar com o suor do seu equipamento de corrida era uma chatice? Pense em lama, suor e sangue na roupa interior e nas sapatilhas, com manchas que por vezes podem não sair mais. Quanto às sapatilhas nem vale a pena lavar pois vai precisar delas no próximo fim-de-semana para a próxima prova! “Ai não, só fiz uma prova para experimentar”! É o que diz, mas na verdade vai ficar orgulhoso com as manchas na roupa e as bolhas nos pés.

Em conclusão, existem vários benefícios e vantagens em fazer trail running. Na maioria das vezes as pessoas fogem dos trails por medo, mas acabam por experimentar e voltam a repetir. Por isso, se é um corredor regular e ainda não experimentou por que não tentar? Costumam dizer, “Aquele que corre fá-lo bem, mas aquele que corre nos trilhos faz melhor!”

Artigo de Andreia Ribeiro, autora do blog Sapatilhas Pensadoras

Garmin

6 Comentários

  1. Nuno Almeida 18 de Outubro de 2018 7:20

    A orientação faz isso tudo noutra escala 😁

  2. Andreia Ribeiro 18 de Outubro de 2018 10:19

    🙂

  3. Salomão Abreu 29 de Abril de 2019 20:47

    Caríssima, cumprimento-a pela apologia que fez das provas de trail running. Contudo, permito-me deixar-lhe o reparo de que tal apologia não deveria ter sido feita em contraposição com a corrida de estrada. No fundo, procurou, com o seu texto de opinião, contrariar aqueles que preferem correr em estrada (como, já agora e por questão de clarificação de interesses, é o meu caso ) destacando as “vantagens” do trail. Caiu, porém, no mesmo erro dos que fazem a apologistas inversa.
    O texto seria excelente se não fizesse comparações.
    Eu sou daqueles que prefere correr em estrada. É sim, já corri em montanha e sou daqueles que continua a afirmar que “o trail não é para mim” e digo-o porquê uma vez mais: Porque virou moda criar provas de trail em que os “trilhos” (de onde resulta o nome) são cada vez mais técnicos e se dá preferência aos trajectos onde nem as próprias cabras passam. Eu adoro correr ao ar livre. Nasci e vivo em meio rural e os trajectos de montanha agradam-me. O desnível não me assusta. Contudo, ainda tenho algum respeito pela minha integridade física e procuro avaliar os riscos que corro participando em alguns tipos de prova. Correr no meio de calhaus, passar em rios e riachos em que não possa sequer ver onde possa apoiar os pés ou em terrenos onde a probabilidade de partir um pé ou até (como já vi em algumas provas) por em risco a própria vida, não é, definitivamente, para mim. Ter que subir uma parede ou atravessar um rio ou um penhasco agarrado a uma corda, não é para mim. E perdoe-me se discorda, mas na minha modesta opinião nem sequer é “trail running”.
    Para terminar, só mais um reparo: Aplaudo o seu espírito de superação, a sua entrega e combatividade, o seu desejo em chegar mais alto e mais longe. Mas o que é que o desejo de me superar a mim mesmo, em cada prova, treino ou competição, só porque o faço em estrada, tem de menor valia?
    Cumprimentos

  4. Miguel Machado 29 de Abril de 2019 22:07

    Um belo texto e uma bela resposta.

    Eu sou de estrada, mas adoro montanha. Não faço maratonas e também não faço ultra – trails.

    Sou um privilegiado 🙂 🙂

  5. Andreia Ribeiro 29 de Abril de 2019 23:25

    Caro Salomão, obrigada pelos comentários. Correr em estrada não tem nem mais nem menos importância, é só diferente. Eu própria comecei em asfalto e fiz e ainda faço meia maratonas. Decidi escrever este texto apenas como forma de ironizar com alguns aspectos do trail running. Espero que siga as sapatilhas pensadoras e as nossas aventuras. Obrigada 😊

  6. Andreia Ribeiro 29 de Abril de 2019 23:26

    Obrigada 😊 Miguel!

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2019 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.