Ultraman, o segredo está no querer!

Autor: Filipa Vicente  /   Setembro 14, 2015  /   Publicado em Notícias, Slider  /   2 Comentários

ultraman_massucaDesde 2012, quando falámos pela primeira vez do Ultraman, Portugal já conta com 3 representações nesta prova épica e 2015 viu nascer mais um Ultraman – José Massuça na Europa. No dia 7 de Setembro de 2015 tornou-se o cidadão português mais velho a terminar os 515Km do Ultraman de Gales.

Pai, marido, trabalhador a tempo inteiro e dividido entre Lisboa e Angola, o “atleta” (que humildemente não se considera como tal) não tem uma vida fácil nos treinos nem tão pouco um longo historial neste desporto.

Concluiu há 2 anos a sua primeira maratona e desde aí fez por três vezes a distância de Meio Iron (900m de natação, 90km de Bike e 21km de corrida), um Ironman e várias maratonas – Paris, Barcelona, Porto, Madrid e Sevilha. Em 2014 tinha planeado ter a sua primeira experiência ultra neste evento mas uma lesão e vários compromissos profissionais afastaram-no do objetivo. No dia 5 de Setembro de 2015 alinhou nos 10 atletas que este ano tiveram a coragem de enfrentar Gales, uma prova duríssima.

O evento

Uma vez mais, o UMUK foi tudo menos um evento de massas. Estavam inscritos 16 atletas e apareceram 10, dos quais apenas 8 terminaram.

E como seria de esperar, não fossem as bandeiras em Swallow Falls e pensaria que estava no sítio errado. Mas desengane-se se pensa que Betsw-y-Coed é o fim do mundo, este ano até a selecção nacional de montanha estagiou nesta pequena cidade do noroeste de Gales.

Tal como tínhamos descrito antes, este evento consiste num triatlo de ultra longa distância:  10km a nadar, 420km a pedalar e 84,3km a correr divididos em 3 dias. No primeiro dia, os atletas nadam os 10km e pedalam 145km, no segundo dia pedalam 275km e terminam com a dupla maratona.

O que torna Gales tão… duro?

A beleza da paisagem contrasta com a dureza desta prova. No primeiro dia, conte com as temperaturas baixas da água do Lago Bala (10-13ºC) e com um desnível positivo de quase 4000m na bicicleta. E se pensava que as subidas tinham terminado, no segundo dia conte com mais 3500m de desnível positivo para os 275km de bicicleta.

Como se isso não bastasse, a dupla maratona desenrola-se num percurso com 2500m de desnível com duas senhoras subidas.

E em 2015, Portugal outra vez!

Esta prova já contou com a participação de António Nascimento (2012), Miguel Carneiro (2014) e agora José Massuça (2015). Este ano a prova ficou marcada pela estreia de 10 atletas nesta distância, e o Massuça era um deles.

O primeiro dia é muito duro pela transição da água para a bicicleta, sobretudo porque depois de 10km na água gelada de Bala tem 145Km para pedalar com subidas que não têm fim. Algumas subidas avisavam logo no início que iam doer…

Notícia Relacionada...  O primeiro Ultraman Português

O segundo dia é logisticamente mais fácil mas de fácil tem muito pouco, são 275km com subidas sem fim. No último terço da prova, o eterno speaker Steve King, aconselhou a comitiva portuguesa a dar tudo porque vinham aí subidas diabólicas de Bala (“não passámos já aqui?”) até Ruthin e de volta a Betsw-y-Coed. Citando o que conseguimos “ouvir” no meio da adrenalina: “Filipa, you know the course, don’t let him stop or he will not make it on time”. Com isto, a equipa de apoio teve de ser “pouco humana” e obrigar o atleta a ir ainda mais além…

E quando pensamos que as pernas já não dão nada, e que a dupla maratona é apenas para terminar (a organização sugeriu 11:48 de tempo final para os 84km), o atleta renasceu para o 3º dia… num passo certo e encaixado no seu ritmo partiu no grupo da frente e dividiu a liderança da primeira meia maratona (de 4) com quem acabou por ser o 2º classificado geral. Apenas ultrapassado pelo dois primeiros, fez a sua prova num ritmo certinho. Pouco depois da maratona resolveu partilhar a segunda metade com um atleta espanhol que ao ver-nos se animou.

Foi uma chegada ibérica. Nestes momentos o atleta tem de tomar uma decisão difícil. Pode sentir que vai mais depressa que o outro e “sair”, arriscando-se a quebrar mais à frente e ser ultrapassado sem dó nem piedade, e ficando a sentir-se muito pior. Mas pode também partilhar uma segunda metade, procurando com o companheiro dividir as dores… e dificilmente, por cortesia, um deles se iria “afastar”.

Foi por isso uma chegada a dois, com as duas bandeiras bem no alto. Massuça e Ignacio Vaquero, nada mais nada menos do que o 1º classificado na natação e 2º nos dois segmentos de bike, apenas ultrapassado pelo líder Enrique Galindo que acabou por vencer o UMUK2015.

O atleta e a equipa

José Massuça partilhou com a família – mulher, a filha Marta de 15 anos e o filho Diogo de 14 e a nutricionista Filipa Vicente, os 515km da prova. Pode pensar que é de uma tremenda loucura levar aqueles de que mais gostamos para nos ver sofrer… mas talvez tenha sido justamente esse apoio tão personalizado a fonte do querer e da motivação para dar tudo. Terminar era o objetivo mínimo mas fazê-lo com dignidade era uma obrigação.

E agora vamos descobrir onde está o limite, porque uma vez mais provámos que em Gales não está…

Os resultados

http://racingquestlimited.com/wp-content/uploads/2015/09/Results-2015.pdf

Prozis 10% CORRERPORPRAZER

2 Comentários

  1. Pedro Paixao 15 de Setembro de 2015 22:00

    correção 4 Ultramans portugueses. Pois já fiz dois 🙂 UMFL e UMWC

  2. Mike 18 de Setembro de 2015 20:12

    Parabéns, José!

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2019 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.