Entrevista com Luis Pereira

Autor: Vitor Dias  /   Janeiro 17, 2014  /   Publicado em Entrevistas  /   2 Comentários

Entrevista com Luis PereiraTal como aqui tinhamos noticiado, Luis Pereira foi o único português que participou na “The Spine Race”, prova que se realiza em Inglaterra e que tem uma distância de 431 Kms. Infelizmente a prova não correu como o atleta esperava, tendo sido desclassificado de forma injusta. Falamos com o Luis a trazemos até si as incidências desta aventura e porque a mesma teve um desfecho pouco feliz.

Fizeste algum  plano de treinos especial para esta prova?

Sim, como sou orientado por um treinador (Paulo Pires) tentamos adaptar os treinos de maneira a simular o mais possível as condições que iria encontrar na prova.  Consistia em  treinar com a mochila carregada nos treinos mais longos (4/5h) e tentar treinar o mais cedo possível.

Que tipo de material obrigatório era exigido para esta prova?

Tenda, saco-cama, fogão, GPS, mapa do percurso, roupa térmica, ração no mínimo para 2 dias.

Tiveste algum tipo de apoio?

O único tipo de apoio que tive foi material da Berg Outdoor que foram 5* comigo, forneceram tudo o que tinha pedido.  E depois de o utilizar posso dizer que o material é do melhor que utilizei até hoje.

Estavas nervoso ao ansioso?

Nervoso não, mas ansioso sim. Quando temos um objetivo como eu tinha há já quase 1 ano penso ser normal ficarmos ansiosos com o aproximar da data da prova.

Tinhas alguma estratégia à partida?

Começar devagar e depois ir-me adaptando à prova, a estratégia iria funcionar um pouco em função das condições climatéricas. Tentar descansar sempre 2/3h nos abastecimentos e andar sempre acompanhado.

Qual o ambiente que rodeia a prova? Na sua maioria são atletas estreantes ou já fizeram a prova em anos anteriores?

O ambiente é de festa, não há aquele stress de ir para a frente para escolher um bom lugar. Cerca de 30% já tinham feito a prova o ano passado e pelo que vi, eram todos atletas habituados a este tipo de provas.

Nota-se muita competição ou na sua generalidade só se pensa em chegar ao fim?

Competição acho que não, como são 431km o objetivo de quem participa é chegar ao fim independentemente da classificação.

Entrevista com Luis PereiraQuais as maiores dificuldades que encontraste?

Foram várias, desde a neve, as placas de gelo, o vento forte, o anoitecer ás 16h30m. Para exemplificar, logo no 1º dia mal começamos começa a cair granizo com períodos de neve até ao meio da tarde, o frio era tanto que os 2 bidões de água que levava à cintura estavam congelados e o bocal da água do camelbag sempre que o metia á boca tinha que lhe tirar o gelo à volta. Eu só pensava que se a água me acabava como é que me iria hidratar, o 1º abastecimento era só aos 62km e eu ainda ia demorar muitas horas a lá chegar (12h).
O percurso era um misto de pedras e lages cobertas com uma camada de gelo que fazia com que estivesse sempre a escorregar.

Em termos organizativos, a prova está bem estruturada (apoio médico, bons postos de controlo e descanso, etc.)

Sim está bem estruturada, vê-se que a organização tudo fez para que nada faltasse aos atletas.

Foste forçado pela organização a abandonar a prova quando tinhas mais de 170 kms já percorridos e te encontravas bem fisicamente. Conta-nos como tudo se passou.

O que se passou é que na 2ª noite por volta das 2h da manhã a chuva miudinha misturada com o vento muito forte pareciam agulhas a espetar-me na cara e não conseguia ver nada á minha frente. Não conseguia ver o percurso e o GPS apesar das indicações que me dava não encontrava o caminho certo. Foi então que comecei a andar para cima e para baixo umas poucas de vezes a tentar ver algum caminho, comecei a arrefecer bastante e ao sentir que não sairia dali montei a tenda e meti-me dentro do saco cama. Acendi o fogão para aquecer as mãos e passado 2 minutos, mal aqueci um bocado fechei o saco cama no máximo e adormeci. Por volta das 9h da manhã ouço a chamar o meu nome, eram 2 pessoas da organização que vieram á minha procura, perguntam-me se estava bem, se tinha comida e água ao que eu respondo que sim. Levanto-me saio da tenda e a 1ª coisa que eu digo a um deles é que eu não queria desistir! Ele disse que não havia problema nenhum que só ficaram preocupados por ter andado um pouco às voltas, um deles ajuda-me a arrumar a tenda e fomos os 3 a passo até ao 2º posto. O incrível é que o percurso estava a 10 metros do sitio onde montei a tenda e o posto a 3km!

No abastecimento alimento-me, ponho o saco cama e a tenda num aquecedor para secarem e durmo +-3h. Ao acordar comi novamente qualquer coisa e preparo tudo para começar novamente a prova, foi quando um dos organizadores vem ter comigo e diz-me que quer falar comigo. Diz-me que não posso continuar a corrida porque fui assistido e que não era justo para os outros atletas deixarem-me continuar.

Mas sabemos que os atletas têm um aparelho localizador de emergência para pedir ajuda e tu não o fizeste…

Exatamente! Foi este argumento que eu apresentei, se eu não o tinha acionado vieram ter comigo por uma questão de saber se estava bem. E se pensavam que poderia estar em perigo então porque demoraram desde as 2h da manhã até quase às 9h para virem ter comigo, quando o 2º posto de controlo estava somente a 3km?

Mas eles não ouviram os teus argumentos?

Ouviram, mas não acederam e foram completamente inflexíveis. Ainda argumentei que não tinha vindo de tão longe e que era injusto não me deixarem continuar depois do investimento e do tempo que demorou toda a preparação para esta prova.

Imaginamos que estás extremamente dececionado…

Quando pela última vez me disseram que não podia continuar caiu-me tudo e não consegui segurar  as lágrimas. Dececionado e frustrado por saber que podia ir mais longe, estava determinado em chegar ao fim nem que fosse de gatas.

Pensas lá voltar?

Gostava de lá voltar para o ano que vem, mas o investimento é muito grande para se fazer sem apoios financeiros. Se os conseguir de certeza que estarei na linha de partida.

Quero agradecer a todos os que me seguiram e me foram dando apoio ao longo da prova com mensagens no facebook e telemóvel, é bom saber que temos amigos.

E um agradecimento especial á Berg Outdoor e ao Correr Por Prazer.

OBRIGADO!

Autor das fotos: Studio Free Agent

24h Portugal 2018

2 Comentários

  1. Rui Pinho 17 de Janeiro de 2014 11:53

    Parabéns, Luis. Para mim e muitos dos que te conhecem serás sempre vencedor e um exemplo. Os sucessos desportivos vêm da superação e resiliência face às dificuldades. Estou certo que terás apoio para mostrar aos “bifes” 🙂 de que fibra és feito.
    Grande abraço!

  2. Alberto Marquers 17 de Janeiro de 2014 15:54

    Parabéns, Luis Pereira
    Independente de tudo que se passou continuas um campeão.
    Abraço

    P.s .Venha depressa os Trilhos do Paleozoico…..

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2018 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.