Trail Sierra do Galiñeiro – Crónica de Rui Campos

Autor: Vitor Dias  /   Setembro 03, 2011  /   Publicado em Notícias  /   5 Comentários

Trail Sierra do Galiñeiro - Crónica de Rui Campos Foi no Free-Running na Serra da Freita organizado pelo Porto Runners em 23 de Julho 2011 que tive conhecimento do Galicia Maxica Trail Adventure – Trail Sierra do Galiñeiro através da informação prestada pelo José Moutinho, confesso que depois daquele treino, bem puxado, não relevei, pois adorei a Serra mas o esforço físico estava para além da minha zona de conforto, ainda sonho com a subida para as eólicas…

Passadas umas semanas, mais precisamente no Free-Running com o Carlos Sá, lá estava o José Moutinho novamente a divulgar a prova do Galicia Maxica Trail Adventure – Trail Sierra do Galiñeiro, e entregou-me um folheto que eu guardei religiosamente no bolso do meu corta-vento, mas como a chuva era muita durante todo o percurso, no final apenas restou uma “papa de folheto”.

Mais umas semanas e chegam as férias, rumo ao sul com a família, não esquecendo, o equipamento para dar umas corridas e o portátil para manter o Facebook actualizado, e foi aqui que através do chat fui conversando com o José Moutinho, palavra puxa palavra, pergunta leva resposta e então lá decidi participar, consultei a família e todos me apoiaram, então em plenas férias, dia 18 Agosto através do site da prova efectuei a minha inscrição, tendo sido confirmada por e-mail no dia 19.

O desafio estava lançado, não mais parei de pensar no Trail da Sierra do Galiñeiro, as férias foram passando, e eis que rumamos ao Norte para depois ir até Vigo.

Sábado dia 27 de Agosto, o grande dia chegou, conforme combinado com o Carlos Rocha e o José Espírito Santo lá nos encontramos as 12h30 no Parque da Cidade e rumamos a Espanha, parando em Valença para um almoço ligeiro antes da prova.

Seguimos para Vincios (Gondomar), chegamos cerca de uma hora antes da prova para equipar, pagar a inscrição, levantar os dorsais e fazer o aquecimento, a hora vai chegando, tiramos a fotografia do grupo.

Lá fomos para o aquecimento, os nervos começam a aparecer, ao ouvir o José Moutinho dizer que a Prova é dura e tem percursos extremamente técnicos, bem estou lixado, pensei para mim, mas quero fazer esta prova o melhor possível, agradecer á minha família que me acompanhou e aos meus amigos Carlos Rocha, José Espírito Santo, Laurentina Gomes e  Fernando Rocha que também iam participar e não se cansaram de me apoiar. A Isabel o Bernardo e o Francisco estavam atentos a tudo antes da partida, nada lhes escapava, escolheram o melhor ângulo para me ver na partida e sacar a foto do momento, esperava que desfrutassem o dia, pois eu já estava a desfrutar o momento.

É dada a partida, seguimos todos rumo ao Trail, agradeço os apoios á passagem, desejo boa sorte aos meus companheiros de corrida, espero que nada lhes falte, posiciono-me no meio da multidão dos 326 atletas inscritos e lá vou eu na primeira e longa subida, parecia-me… pois as lonnnnnnnngaaaaaaaasssss haviam de aparecer mais á frente, uns saíram disparados o ritmo é bestial, desde o principio começam as paragens, isto parece duro, depois de uns metros já nos vamos separar, o calor aperta, chegamos ao primeiro  abastecimento  as pessoas anónimas apoiam-nos, sinto confiança, começa a ficar duro uma grande subida com muito desnível, muito conhecido, segundo alguns espanhóis que iam ali ao meu lado, mas isso não lhe tira a dureza, mais á frente estão mais pessoas anónimas a apoiar, que emoção e quanta gente nessa zona de subida, sigo a minha ascensão não muito rápido mas com precaução, uma queda ali seguramente seria fatal, chegamos ao cume, estou todo partido mas com grande vontade de continuar o desafio, começamos a rolar pelo cume da serra, desde aqui podemos visualizar os que vão à frente e os que vêem atrás, chegamos a uma forte descida de pedras soltas e perigosas, foi aqui que o pé esquerdo mal apoiado provocou a entorse, aiiiiiiii, pensei que não era nada importante, queria acreditar que não era importante aquela lesão, sigo outra subida a outro pico e outra descida técnica e difícil com um piso que não sabes onde pisas, o pé esquerdo começa a acusar e a avisar que não está operacional a 100%, chegamos a uma zona de caminho e chegamos ao segundo abastecimento, saímos para cima outro monte de zona rochosa e outra subida curta, mas já dura com as pernas castigadas, diante de mim tenho o José Espírito Santo, vamos conversando, descida, a primeira queda e mais á frente outro abastecimento o mesmo que o segundo porque o percurso fazia um loop, saímos disparados, agora toca a correr, descemos uma cascata de descendente rochoso e muito perigoso, mais uma queda, chegamos ao caudal de um riacho seco, com algum verdete escorregadio, raízes e outras coisas que nos atrapalham, aproximamo-nos da margem da lagoa Zamanes e durante uma boa parte do percurso contornamos parte das suas margens, começa outra subida, passamos ao lado de uma auto-estrada e continuamos a subir por uma zona de caminho duro, aqui estou de novo com o José Espírito Santo que se tinha adiantado, um pouco mais á frente a minha intuição diz-me que devemos virar á direita, mas não há marcas e seguimos a pista principal, vemos outros atletas mais á frente, alguém tinha tirado as fitas do caminho e no cruzamento onde deveríamos virar, as minhas duvidas estavam esclarecidas sigo o caminho e mais á frente vejo as fitas, com a voz mais elevada digo é por aqui!!, então a minha adrenalina dispara e começo a correr mais forte, mas… o pé esquerdo não permite… há que gerir o esforço para poder terminar, subo já com as pernas muito cansadas sigo sem ser alcançado por ninguém, aguento até ao ultimo abastecimento, bebi muita água, pergunto quanto falta, dizem-me 3Km’s, sigo, não é o momento de parar, faltam apenas 3Km’s de descida, aqui tenho de novo pessoas anónimas  a animar-me e apoiar, olham para a Bandeira Nacional que tenho gravada na manga esquerda da camisola do PortoRunners e dizem força Portugal, animo…, mas eu quase nem os consigo olhar, a minha mente apenas tem um pensamento: cortar a meta, estou possuído com este pensamento, começo a descida, mas também aparecem algumas subidas que embora curtas custam muito, a minha cabeça já não pensa, as pernas doem por todos os lados, elementos do staff da prova animam-me, faltam apenas 400 metros, mas 200 metros depois avisto o Bernardo, ele estava impaciente, esperou  por mim para me dar a mão e cortar a meta comigo, mas logo a 100 metros dele  está o Francisco, e de  mãos  dadas aos  meus  dois   filhos   eis   que corremos em direcção para cortar a  meta de forma triunfal, depois de 21Km’s de percurso duro e agreste, mas para mim muito especial, lá estavam o Carlos Rocha, a Laurentina Gomes e a Joana, mais a minha mulher Isabel os quais me felicitaram e me deram aquele apoio que nos faz sentir que vale a pena participar nestes eventos e ter estes Amigos e esta Família fantástica.

Este é o meu Troféu! O único Troféu que é impossível ser-nos roubado.

Agradeço o incentivo recebido pelo José Moutinho, o apoio incondicional da minha família, o apoio sempre pronto dos companheiros do Porto Runners e também à Galicia Maxica Trail Adventure o ter tornado realidade este circuito.

Um forte abraço a todos.

27.Agosto.2011

Crónica da autoria de Rui Manuel Cunha Campos

 

5 Comentários

  1. Fernando Rocha 3 de Setembro de 2011 9:56

    Parabéns Rui Campos, por teres desafiado os teus limites físicos e teres conseguido o teu objectivo.
    Tu és homem para isso e muito mais, assim queiras.
    Grande abraço.

  2. Jorge Gonçalves 5 de Setembro de 2011 10:26

    Amigo Rui
    Parabens por mais esta tua aventura que é descrita ao pormenor e se mostra bastante interessante,facto que nao nos surpreende pois sabemos que es do tipo antes quebrar que torcer, parabens tambem á tua esposa e filhotes pois nós sabemos como é importante termos o apoio da familia nestes momentos, que esta muito para alem dos apoios importantissimos dos amigos
    Abraço e continuaçao de boas corridas
    Jorge Gonçalves

  3. Luis Sousa Pires 5 de Setembro de 2011 11:04

    Parabens Rui,
    Pela tua excelente prova, pela tua crónica, mas, principalmente, pela tua determinação e força de vontade!
    um abraço,
    Luis

  4. Alexandre Caramez 6 de Setembro de 2011 16:39

    Grande Rui

    muito bom mesmo, a tua determinação e força de vontade, como disse anteriormente o Luís, fazem de ti uma inspiração para os meus treinos, para os meus objectivos e para as minha provas futuras.

    Um forte abraço de parabéns!
    Alexandre

  5. José Soares 7 de Setembro de 2011 22:56

    Parabéns pela prova.

    Tive imensa vontade de fazer esta prova, mas por motivos profissionais não a pude fazer. E ao ler a tua crónica ainda fico com mais vontade… Fica para a próxima.
    Grande abraço e continuação de Bons treinos e boas provas

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2018 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.