A minha maratona de Sevilha

Autor: Vitor Dias  /   Fevereiro 18, 2010  /   Publicado em Crónicas  /   34 Comentários

A minha maratona de SevilhaEncarei esta maratona de uma forma totalmente diferente das anteriores. Nas outras 3 provas em que fiz esta distância (Porto, Paris e Berlim), preparei tudo ao pormenor deste o plano de treinos até à logística da viagem. Para esta prova tudo foi diferente. Toda a logística foi tratada pelos amigos Carlos Rocha, Jorge Gonçalves e Conceição Grare da equipa Porto Runners, a quem quero desde já agradecer publicamente todo o empenho e dedicação colocado ao serviço das quase 50 pessoas que se fizeram deslocar a esta cidade da Andaluzia. Quanto ao plano de treinos, foi parecido com os anteriores, excepção feita ao número de semanas que reduzi das 14 para 11, devido a compromissos profissionais e familiares. A preparação não correu nada bem. Devido a várias razões, vários treinos não foram cumpridos e a 6 semanas do evento uma lesão levou-me a uma paragem de 15 dias. Foram 15 dias onde não percorri um único quilómetro. Pus desde logo em causa a minha participação, nunca tendo perdido a esperança de participar nesta maratona. A 3 semanas da prova decidi participar na mesma, tendo pondo o meu objectivo inicial de parte que seria bater o meu recorde pessoal. Iria para a prova com o intuito de usufruir da mesma e juntar a possibilidade de conviver com os meus colegas de equipa e de principalmente dar apoio aos estreantes nesta distância, acto que me dá particular prazer.

A PROVA

Acordamos antes do próprio dia. Este resolveu brindar-nos com frio e geada e uma humidade bastante considerável. Lá fomos nós a caminho do estádio olímpico uns a tremer de frio e outros a tremer de nervosismo.

Após um ligeiro aquecimento em zona apropriada do estádio lá fomos para a pista e minutos depois o tiro de partida no pôs a rolar durante 300 metros no interior do estádio e depois pelas ruas de Sevilha onde 42 Kms nos esperavam.

Seguimos inicialmente eu o Alexandre Caramez e a Elisabete Gonçalves juntando-se pouco depois o Thierry, o Francisco Lobo e o António Mesquita, todos da equipa Porto Runners. A Elisabete e o Francisco eram estreantes e por isso tentamos manter um ritmo lento e constante o que agradaria a todos. Mesmo assim a Elisabete cedo percebeu que o ritmo não era o dela e mandou-nos avançar, consciente de que seria melhor abrandar para dali não vir males maiores.

Seguimos os 4 sempre confortáveis a 4m45/km durante os primeiros 10 Km. A partir daí o Mesquita e o Thierry abrandaram ligeiramente mas a rolarem sempre nas nossas costas. Ao Km 15 encontramos o Fernando Andrade, a quem cumprimentei mas por momentos apenas pois ele resolveu não nos acompanhar. Minutos depois e por volta do Km 18 encontramos o nosso amigo Luís Pires, experiente maratonista que ia a um ritmo lento para as suas capacidades mas rápido para aquilo a que se tinha proposto para esta prova. Segui connosco o Luís. Fomos sempre juntos onde eu “liderava” o grupo, não por ser mais rápido ou mais experiente mas porque ia controlando o ritmo pelo meu relógio, não deixando que ninguém alargasse a passada mais do que o pretendido por todos. Nesta altura já se tinham juntado a nós o Faísca (de Faro) e o David Ferreira (de Santarém) que ali conhecemos e fomos conversando. Os nossos objectivos voltaram-se para estes dois novos amigos, um porque poderia ir ao podium (Faísca) e para o David que poderia fazer ali o seu recorde pessoal.

Lá fomos seguindo até à meia maratona, onde passamos com 1h43m, uma boa marca para o intuito destes novos amigos. Eu sentia-me muito confortável e o Luís também. O David e o Faísca começavam a dar ar de cansaço mas mantínhamos a média a que nos propusemos.

Por volta dos 30 Km o Luís diz-me que se sentia bem e que já que estávamos frescos poderia fazer um tempo muito próximo das 3h23m que tinha feito no ano anterior. Eu sentia-me bem mas não sabia muito bem como iria ser a partir daí pois sabia perfeitamente que a minha preparação tinha sido anormal e que era daí para a frente que iria sofrer caso aumentássemos o ritmo. Mas o facto de ir com o Luís era algo que me dava muito alento. Arrisquei e pusemos pernas ao caminho. 4m10s/km era agora a nossa média e as minhas pernas começavam a dar sinais de fraqueza. Ao faltar 8 km o Luís disse que iria arriscar, mesmo que terminasse a passo. Ele estava em grande forma, o que nada me admirou. Mandei-o seguir que eu não teria pernas para aquele ritmo. Avançou sem eu nunca o perder de vista, tendo ganho uns 100 metros de avanço os quais recuperei à passagem da ponte de acesso à Ilha da Cartuja. Ultrapassávamos atletas a cada passo que dávamos, muitos deles em grandes dificuldades. Nesta altura acelerei ou o Luis abrandou. Mantive-me só por alguns minutos à frente do Luís. Nessa altura ele passou por mim sem eu sequer esboçar um esforço para o acompanhar, isto já com o estádio olímpico à vista. Entramos num parque bastante bonito onde já tínhamos passado no início com o Luís a uns 30 metros à minha frente. Fomos ambos aumentando ainda mais o ritmo fruto de alguma ansiedade e do facto de sabermos que poucos minutos depois estaríamos a descansar.

O túnel do estádio já ali estava com muita gente a aplaudir e na rampa desnivelada de acesso ao mesmo apanhei o Luís e entramos na pista que me deixou quase em êxtase. As pistas de dentro estavam ocupadas e nem o facto de ter que ir na pista de fora e portanto com mais distância a percorrer, nos impediu de andar a 3m5s/km uma verdadeira loucura para o meu andamento normal. Desde que entrei no estádio, não me lembro de estar cansado ou de me doer algo. De facto a cabeça é que manda. Terminamos eu e o Luís no minuto 23 conforme tinha idealizado uns quilómetros atrás.

Sem que tenha sido a minha maratona mais rápida, foi a que mais prazer me deu, já que pouco sofri, ao contrário do que eu esperava, dada a fraca preparação que fiz. Ao que parece “o chip” começa a ficar programado e se a preparação é importante a experiência que ganhei nas edições anteriores terá pesado nesta minha prestação que considero muito boa para as minhas aspirações.

Quero agradecer a todos os quanto me acompanharam tanto antes como durante a prova, em especial para os colegas da Porto Runners e os novos amigos Faísca e David Ferreira que cada qual à sua maneira acabaram por cumprir os seus próprios objectivos.

Uma palavra especial para os estreantes na distância pois todos eles conseguiram terminar a mesma (Elisabete Gonçalves, Francisco Lobo, Vítor Cardoso e Natalino Pereira).

Um obrigado ao meu amigo José Carlos Mimoso que nos acompanhou e nos brindou com as suas belas fotos que nos farão recordar para sempre este dia.

Adiós Sevilla.

Próximo destino: Madrid

CURIOSIDADES DA PREPARAÇÃO

Duração: 11 semanas
Quilómetros percorridos: 530
Nº. de treinos previstos: 54
Nº. de treinos cumpridos: 39 (72,2%)
Nº. de horas: 50
Locais: Porto, Matosinhos, Vila Nova de Gaia
Equipamento: Sapatilhas Asics GT 2140, relógio Garmin Forerunner 305.

A minha Prova no Garmin Connect

Fotos desta prova da autoria de José Carlos Mimoso

Provas de Trail

34 Comentários

  1. Rui Barbosa 18 de Fevereiro de 2010 7:38

    Bom relato e excelente prova! Quero fazer o mesmo em roterdão… de trás para a frente

  2. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 9:08

    Olá Rui

    Sim, vai com calma que a distância é longa. Sabemos que vamos sofrer e quanto menos sofrermos melhor. Faz a meia uns minutos acima da tua última meia (pelo menos 5 min) e vais ver que vai custar menos. Mais lá para o final, quando sabes que falta pouco para descansar, podes apostar mais um pouco. A maratona é uma prova de gestão de esforço e não uma simples corrida. Bons treinos e boa sorte.

    Cumprimentos

  3. Filipa Vicente 18 de Fevereiro de 2010 9:37

    Mesmo com tanta adversidade desde a Maratona do Porto, foste até ao fim e não desististe! Realmente a máquina está bem calibrada!

  4. Fernando Andrade 18 de Fevereiro de 2010 9:48

    Boa, Vitor.
    Para quem duvidava da preparação que fez, fizeste uma excelente prova, sobretudo, pelo à vontade com que conseguiste geri-la.
    É fácil ficar-se cliente desta Maratona, pois toda a envolvência é muito positiva (excepto a temperatura).
    A próxima vai ser Madrid? Óptimo. Já tenho a viagem marcada. Falta inscrever-me e marcar alojamento. Mas quero ver se me preparo alguma coisa para não fazer a 2ª meia em 2h, como aconteceu em Sevilha.
    Grande Abraço .
    Fernando Andrade

  5. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 10:04

    Olá Filipa

    Obrigado pelo apoio. Sabes que a máquina começa a ficar calibrada também graças a ti e às tuas dicas alimentares.

    bjs

  6. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 10:06

    Olá Fernando

    Foi bom encontrar-te em Sevilha assim como o será em Madrid. Também já marquei a viagem e o restante estamos a tratar. Vamos 5 da Porto Runners.

    1 abc e bons treinos.

  7. António Almeida 18 de Fevereiro de 2010 10:21

    Olá Vitor
    parabéns pela tua prova, de facto a experiência já vai pesando a teu favor.
    Excelente relato.
    Pena que não nos vimos, ainda assim deu para fazer a festa quando a grande Conceição subiu ao palco, parabéns também para ela.
    Madrid já é para mim um sonho antigo, boa escolha.
    Boa recuperação.
    Abraço.

  8. António Nogueira 18 de Fevereiro de 2010 10:46

    Vitor Dias, excelente prova depois das adversidades por que passou. Fiquei contente. Eu estou agora a “salvar-me” da Fascite Plantar por que passamos. Ou seja voltei a ter a felicidade e o “Prazer de Correr”.
    Cumprimentos

  9. Luís Mota 18 de Fevereiro de 2010 10:48

    Olá Victor!

    Uma excelente participação a vossa em Sevilha.
    Parabéns pelo teu excelente desempenho pessoal e votos de uma boa preparação para Madrid.
    Abraço para toda a comitiva,
    Luís Mota

  10. Marco Silva 18 de Fevereiro de 2010 11:33

    Vitor, estás a ficar uma máquina do tempo, um relógio, daqueles que o meu avô tinha, que funcionava sempre certinho.
    Estás em grande forma. Grande tempo e sem estares á espera, conforme eu te disse.
    Estiveste com o David, que é um grande amigo, uma pessoa espectacular com muito bom gosto. E um Homem das Ultras.
    Pode ser que te pegue o bichinho das ultras e montanha, se é que ele falou nisso.

    Abraços.

  11. João Hébil 18 de Fevereiro de 2010 11:33

    Vitor,
    Creio que não nos conhecemos pessoalmente, apesar de eu já ter feito 5 maratonas no Porto …
    Se se der o caso terei todo o prazer de ser vosso cicerone, aqui por estas bandas Castelhanas. Só ainda não encontrei a motivação para treinar … passo por uma etapa de pouca motivação. Enfim parabéns pela maratona de Sevilha (que melhor recordação tenho pois é onde tenho a minha marca pessoal) e pelo relato.
    Abraço

  12. João Paulo Meixedo 18 de Fevereiro de 2010 11:52

    Bela prova, excelente relato.
    Cheguei a por em causa a tua participação. Sou testemunha que pouca semanas antes nem sequer conseguias pousar o pé no chão, quanto mais caminhar (nem sequer falo em correr).
    Assim já acredito que eu, a treinar uma vez por semana, possa ir a Paris 🙂
    Um abraço e parabéns,
    JP

  13. Luis Sousa Pires 18 de Fevereiro de 2010 14:05

    Grande Vitor,
    Fizeste uma prova espectacular, sobretudo atendendo a todas as condicionantes que tiveste nas semanas anteriores. Agradeço a tua companhia em quase 2/3 da prova. Se não fosse a tua presença a partir do km 18, ia manter os 5’/km com que vinha até essa altura. Sendo assim, acabei por fazer, sem estar nos meus objectivos, o mesmo tempo das edições anteriores (2008 – 3h23’47; 2009 – 3h23’23 e 2010 – 3h23’11). Curioso! O mais importante é que acabamos bem a prova, o que nos dá sempre uma enorme satisfação. Tenho a certeza que para ti foi excelente teres tido, desta vez, uma abordagem diferente à maratona e poderes usufruir de novas sensações. Desta forma disfrutamos e convivemos mais e com isso alcançamos, o tal “correr por prazer”!
    Um abraço e até breve!

    Uma palavra para o Fernando Andrade que tive o prazer de conhecer pessoalmente nesta prova. Tenho pena de não termos conversado mais um pouco, mas a “culpa” foi minha, pois não sou grande conversador. Não irão faltar oportunidades, quem sabe já em Madrid, para onde já tenho também viagem marcada!

  14. joaquim adelino 18 de Fevereiro de 2010 15:37

    Parabéns amigo Vitor, esta distância já se vai tornando um hábito e cada vez se vai tornando mais fácil enfrentá-la. Desta prova só podemos trazer boas recordações e fica sempre o desejo de lá voltar.
    Desejo o melhor para o que aí vem.
    Abraço

  15. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 16:48

    Olá António

    Foi realmente pena a gente não se ter encontrado. Já não digo o mesmo da excelente e ruidosa claque que durante vários locais da prova nos apoiou de uma forma fantástica. Dá-lhes sinceros cumprimentos meus. Quanto a Madrid vai ser a loucura total pois estava a prever descansar até essa altura como mandam as regras…

    Cumprimentos

  16. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 16:49

    Olá António

    Como te compreendo. Não é fácil mas o tempo trás-nos sempre o que tanto ambicionamos. Boa recuperação e bons treinos.

  17. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 16:51

    Grande amigo Marco
    Não vejo a hora de treinarmos juntos. Recupera rápido mas com toda a calma. Quanto ao David, estamos a falar de pessoas diferentes. Avisa quando já poderes dar uma corridinha.

  18. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 16:55

    Olá João
    Se isso é só falta de motivação, melhor. O pior é quando é lesão. Toca a calçar as sapatinhas e a sentir o prazer das endorfinas a correrem o nosso corpo. Espero encontra-lo em breve. Não percebi se é de Sevilha se de Madrid. Caso seja a segunda opção, espero encontra-lo a 25 de Abril. Cumprimentos

  19. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 16:56

    Biba Companheiro. A coisa correu bem e sem sofrimento. Uma vez por semana só? Que se passa? Diz-me onde andas e vou ter contigo. Não penses ir a Paris sem dar cabo do corpo pelo menos 3 vezes por semana. 1 abc

  20. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 17:00

    Há uns anos atrás, não havia dia nenhum que não visse um individuo a correr na marginal portuense, fizesse frio ou calor. Quando comecei a ir a provas identificava-o como o tipo que corria com a bandeira portuguesa na cabeça. Uns tempos depois conheci-o. Mais um tempo passado e consegui acabar uma maratona ao lado dele, mesmo sabendo que ele não me deixou para trás porque não quis. Esse individuo é o Luis, do qual sou amigo e me orgulho desse facto. Um grande abraço e bons treinos para Madrid e Comrades.

  21. Vitor Dias 18 de Fevereiro de 2010 17:01

    Amigo Joaquim

    Muito obrigado pelas sempre sábias e simpáticas palavras. Bons treinos e cumprimentos à família.

  22. Paulo Rodrigues 18 de Fevereiro de 2010 23:10

    Grande Vitor
    Parabéns,isto sim é “Correr por prazer”!!!
    Agora vê se ouves os conselhos do Marco e perde o “medo” da montanha e das ultras,a Freita está aí para ser feita!!!
    Grande abraço,és um grande campeão.
    Paulo Rodrigues

  23. David Sousa 18 de Fevereiro de 2010 23:16

    Prueba superada, lá vão quatro com a quinta em andamento. Muito bem, parabéns não só pela participação mas também pelo relato que nos vais fazendo, esses servem de motivação para outros companheiros.
    Um abraço e força para Madrid.

  24. Vitor Dias 19 de Fevereiro de 2010 9:50

    Obrigado amigo Paulo
    Como te disse esta ano não me baldarei à montanha. Já mandei até vir equipamento. Estarei na Freita mas na versão soft. 1 abc.

  25. Vitor Dias 19 de Fevereiro de 2010 9:52

    Olá David
    Estivemos juntos na primeira e estaremos juntos em muitas mais. Obrigado pelo teu apoio e bons treinos para Paris. Tenho a certeza que vai fazer história na cidade Luz. 1 abc

  26. José Capela 19 de Fevereiro de 2010 21:59

    Vitor,

    Boa corrida e excelente crónica.

    As vezes nós surpreendemo-nos a nós próprios, quando cgegamos a este estado, acho que nos tornamos maratonistas na sua essência.

    Abraço

    José Capela

  27. Vitor Dias 20 de Fevereiro de 2010 15:20

    Viva Capela

    Obrigado pelo apoio. Até um dia destes numa qualquer prova.

  28. Miguel Paiva 21 de Fevereiro de 2010 12:36

    Vitor,

    Parabéns pela prova que fizeste e por teres conseguido vencer as adversidades da preparação e lutado para lá estar!

    abraço
    MPaiva

  29. Vitor Dias 21 de Fevereiro de 2010 19:43

    Olá Miguel
    Obrigado pelas tuas sempre simpáticas palavras. Quando corremos juntos? Póvoa? 1 abc

  30. Jaime Trabucho 22 de Fevereiro de 2010 12:13

    Obrigado Vitor pelo relato e parabéns por mais uma Maratona.
    Para o ano, de Deus quiser- porque Eu quero lol, farei a minha primeira…..

    Adoro ler os vossos relatos, ajudam-me a motivar e ter a certeza que tb lá chegarei à meta após 42,195K, nem que vá de gatas ( como costumo dizer), e claro muito mais devagarinho, mas também qual é a pressa? lol.

    obrigado por partilharem a vossa experiencia, simplesmente adoro ler – vos.
    cumprimentos
    Jaime

  31. Vitor Dias 22 de Fevereiro de 2010 12:22

    Olá Jaime

    Obrigado. Força nessas pernas. Quando aos 42.195K, a correr e/ou a andar, há-de lá chegar.

    Bons treinos

    Cumprimentos

  32. Alexandre Caramez 26 de Fevereiro de 2010 12:20

    Grande Vitor

    Ainda não é desta que termino a teu lado, se tu treinaste pouco, à tua beira eu quase não treinei. Sinceramente, e ambos sabemos que é uma loucura, não fiz um único treino longo (>1h30).

    A tua companhia foi uma partilha fantástica de puro prazer de correr.

    Também, sabes que esta ainda não é a minha prova de eleição. Começam agora as minhas provas de 10 km, vamos ver o que este me reserva! 😉

    Venha a próxima (encontro novamente a Maratona no Porto)

    Aquele abraço

  33. Vitor Dias 1 de Março de 2010 14:27

    Viva Alexandre
    Desta vez não fizeste asneiras durante a prova 🙂
    Aproveitei para correr a teu lado porque já sei que a partir de agora vejo-te no principio e no final das mesmas.
    Bons treinos.

  34. Pingback: A 1 mês da Maratona: o que fazer? | Correr Por Prazer ®

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2018 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.