Nem todos corremos por prazer

Autor: Vitor Dias  /   Dezembro 05, 2009  /   Publicado em noticias
Tags: água, aldeia, arroz, colheitas, crianças, guiné-bissau, lenha, maratona de lisboa, mulheres, suzana

No título deste artigo, não me refiro aos atletas de elíte que fazem das corridas o seu ganha pão. Esta é uma história bem diferente. Maria irá participar amanhã na Maratona de Lisboa para mostrar como as mulheres guineenses levam água e lenha para as aldeias. Uma história que nos faz pensar…

No Norte da Guiné-Bissau, encostada à fronteira com o Senegal, fica a povoação de Maria Buinen. A aldeia Suzana, na região de São Domingos, fica longe de tudo. Fica longe da água e longe da lenha que ela carrega à cabeça para cozinhar, dar de beber aos animais e toda a família tomar banho. Maria faz três viagens por dia e demora cinco horas para percorrer 40 quilómetros. E ontem a sua caminhada foi ainda maior – deixou os seis filhos, o marido e os três netos, apanhou o avião e aterrou em Lisboa.

A guineense saiu de Suzana pela primeira vez para participar na Maratona de Lisboa. A prova acontece no domingo e tem a mesma distância que ela faz todos os dias. Leva portanto alguns pontos de vantagem, mas ganhar não é o objectivo. Maria quer mostrar o que fazem as mulheres da sua aldeia para terem água potável e fogão aceso (ver caixa).

Do nascer ao pôr do Sol, cada tarefa tem o seu tempo e todos os trabalhos estão entregues às mulheres de Suzana. “Umas procuram lenha, outras guardam os campos e outras estão nas colheitas”, conta a guineense de 45 anos. Até ao fim de Dezembro, Maria vai vigiar os arrozais. Acorda às cinco da manhã para afugentar os pássaros que comem as sementeiras e é só ao início da tarde vai buscar a água para preparar o almoço da família. São nove quilómetros para encontrar o poço de água potável mais próximo. O caminho de ida e volta repete-se outras duas vezes até conseguir juntar um alguidar cheio de lenha e ainda mais 40 litros de água que ela usa nas outras tarefas domésticas.

Leia também ...  Corrida discrimina mulheres

As crianças de Suzana também trabalham. Quase tanto como as mulheres. Alcénia é a neta mais velha de Maria, tem oito anos e vai buscar água e lenha quando a avó está no campo: “No tempo das nossas mães não era preciso pôr as crianças a trabalhar tão cedo.” Só que antes havia muita chuva e muito arroz: “Antigamente, a colheita durava três meses e agora é só um.”

O arroz é a base da alimentação de toda a comunidade e a chuva assegura a sobrevivência da aldeia: “Este ano tudo correu mal”, queixa-se a guineense. Caiu pouca chuva, os bichos atacaram o arrozal, a sementeira teve de ser transplantada três vezes e a colheita é feita com muito cuidado para evitar desperdícios: “Um pé de cada vez, cortado à faca, para os bagos não fugirem.” Mesmo assim, o arroz só vai chegar para alimentar os habitantes de Suzana durante quatro meses: “E depois acabou.”

Quando faltar o arroz, Maria e outras mulheres da povoação de São Domingos vão passar a viver das palmeiras. O fruto é usado para fazer vinho e o óleo de palma que mais tarde será vendido nos mercados da fronteira senegalesa: “É o dinheiro da venda que nos vai sustentar o resto do tempo.” Serve para comprar o arroz, para “tratar das doenças” e, se sobrar, para os filhos e os netos continuarem na escola.

A maratona de Maria Buinen não tem meta para cortar. Ela corre todos os dias e, nas últimas semanas, corre ainda mais porque está a treinar para a prova de domingo. Tem ténis novos e quer estar preparada para competir ao lado dos atletas: “É que eu nunca fiz isso.”

Fonte: Jornal i

Sobre Vitor Dias

Autor e administrador deste site. Corredor desde 2007 tendo completado 55 maratonas em 15 países. Cronista em Jornal Público e autor da rubrica Correr Por Prazer em Porto Canal. Site Oficial: www.vitordias.pt
Milaneza

6 Comentários

X