A Minha Primeira Maratona

Autor: Vitor Dias  /   Outubro 26, 2008  /   Publicado em Crónicas  /   32 Comentários

A Minha Primeira Maratona

Aqui está o relato da minha primeira maratona.

Os meus mais sinceros agradecimentos a todos os quanto tornaram isto possível.

A Minha Primeira Maratona – 5ª. Maratona do Porto (2008) – clique no link ao lado ou na foto para ler a crónica

Ultra Trail Medieval 2019

32 Comentários

  1. Ana Pereira 30 de Outubro de 2008 22:47

    Muitos Parabéns!

    Que seja a 1ª de muitas.

    Agora, uma boa recuperação e continuação de boas corridas

    Ana Pereira

  2. Vitor Dias 30 de Outubro de 2008 23:11

    Obrigado Ana. Vi no teu blog que estives-te na maratona do Porto. Pena não nos termos encontrado. Talvez para a próxima.

    Cumprimentos
    Vitor Dias

  3. Flávio Oliveira 31 de Outubro de 2008 12:00

    Boas…

    Muitos parabéns sr. “atletista”…
    Que sejas o Dean Karnazes português!!!

    Continua com essa força.
    Grande abraço…
    Flávio Oliveira

  4. Pinheiro 31 de Outubro de 2008 14:06

    Fantástico! Fiquei emocionado ao ler o teu relato. Eu próprio que cheguei a aventurar-me na corrida, depois de ler o teu texto fiquei cheio de vontade de recomeçar (se bem que a natação duas vezes por semana deixa-me de rastos).

    Muitos parabéns por este feito e desejo que o possas repetir muitas vezes!

    Um abraço!
    Pinheiro

  5. Zé António 31 de Outubro de 2008 16:41

    Quem te conhece sabe que não desistes, por isso a minha motivação também passa por ti.
    Só tive pena não estar no final para ver o tal dedinho no ar, mas espero que os dedos (das mãos e pés) não cheguem para conta-las.
    Um abraço e mais uma vez parabéns pelo que eu considero um “feito”.
    Zé António

  6. Vitor Dias 31 de Outubro de 2008 23:44

    Obrigado a todos pelas vossas palavras. Elas são um incentivo para as próximas que aí virão.

    Zé António, repara bem na foto da chegada (última da crónica), mão direita no ar e indicador indicando… o céu.

    Cumprimentos a todos
    Vitor Dias

  7. João Fortuna 1 de Novembro de 2008 23:00

    Companheiro Vitor:

    Deliciei-me a ler o teu relato e os pormenores que sofregamente absorveste nesta nossa aventura. Brilhante reportagem que traduz o espírito que nos arrasta todas as semanas para o alcatrão das ruas da nossa cidade. São testemunhos como os teus que granjeiam a fama que a Portorunners já tem entre o corredores do Porto e nos vicia neste clube. Bem hajas e os meus parabéns pelo calculismo com que conseguiste ultrapassar os teus objectivos para esta prova. Desde Domingo ainda não tinha tido oportunidade para to dizer. Infelizmente não tive pernas nem capacidade mental para te acompanhar, mas em Paris redimo-me! Far-te-ei mais companhia! Foi também curioso saber que te casaste na igreja onde eu me casei há 19 anos…coincidências de maratonistas baptizados também na mesma prova.
    Auguro muitos kms passo a passo, mano a mano. Até amanhã campeão!
    João Fortuna

  8. Carlos Rocha 3 de Novembro de 2008 0:34

    Parabéns Maratonista Vitor,

    Adorei ler o teu relato, espero que seja o primeiro de muitas e muitas aventuras. Pensei que estava a ler um capítulo do livro 5… Obrigado pelas tuas palavras.

    A primeira maratona vai ficar na nossa lembrança como muitas das primeiras coisas que faremos na nossa vida. Correr uma maratona é 30% físico e 70% força de vontade, escolher um plano de treino que se enquadre com as nossas aptidões físicas, num dia só com 24 horas conseguir 2 horitas para treinarmos, muitas vezes ainda não recuperamos do treino anterior e temos que fazer séries curtas ou longas, ao domingo quando o melhor era ficar na caminha até ao final da manhã, levantamo-nos mais cedo para fazermos um treino a volta da cidade do Porto e no final de 20 semanas ouvimos o tiro de partida e… só faltam 42 195 metros para a nossa glória pessoal.

    Tenho pena de não termos feito mais treinos técnicos juntos, mas tenho a certeza que iremos participar em muitas provas míticas do atletismo.

    Quando estava a escrever estas palavras, estava assistir ao final da maratona feminina de Nova York e a imagem era a vitória da Paula com a filha ao colo. Com o apoio da família, a amizade dos companheiros da corrida e um pouco de suor, são estes ingredientes que tanto prazer nos dá a corrida.

    Boa recuperação, boa compensação familiar, um abraço… e até a próxima,

    Carlos Rocha

  9. Vitor Dias 4 de Novembro de 2008 9:24

    Obrigado Carlos.

    És um dos maiores responsáveis por este meu feito.
    Apradinhas-te a minha ída para a Porto Runners, aliás, na altura escrevi aqui acerca disso mesmo:

    http://www.pretoebranco.com/2008/01/06/o-prazer-da-corrida/

    Continuemos a correr pelo prazer que a corrida nos dá.

    1 abc
    Vitor Dias

  10. Luís Cordeiro 5 de Novembro de 2008 12:03

    Vítor
    Muitos parabéns.

    É com imensa satisfação e orgulho que constato que alcançaste a meta à qual te propuseste.

    Não escondo também a emoção que senti, ao ler o relato minucioso (maratona/reportagem) no qual está patente o esforço, força de vontade e a solidariedade de todos os que contigo correm.

    Uma vez comentei acerca de ti, que sempre que abraças um projecto o fazes de uma maneira apaixonada, este relato bem como desiderato alcançado são a prova viva disso.

    Amigo

    Um grande abraço,
    Luís Cordeiro

  11. Vitor Dias 5 de Novembro de 2008 12:12

    Amigo Luis

    Obrigado pelas tuas palavras. Nós que corremos, sabemos o prazer que sentimos e é difícil (se não impossível descrevê-lo). Mas o maior prazer mesmo é trazer gente para este apaixonante meio. O Zé António e o Carlos Rocha fizeram-no comigo e espero no futuro eu conseguir fazer o mesmo. Tu és um dos alvos 🙂 Sei que não será para já, mas com o tempo…

    1 grande abraço
    Vitor Dias

  12. Patrícia Gilvaia 12 de Novembro de 2008 14:45

    Olá Vitor!
    Acabei de ler o teu testemunho à segundos e estou “aterrorizada”. Emocionei-me várias vezes ao ler estas palavras. Admiro a força, rigor e emprenho com que encaras-te este objectivo. O espírito de equipa e de entre ajuda… o apoio dos colegas, da família, dos amigos e dos desconhecidos.
    Obrigada por este relato de uma experiência tão dolorosa e sofrida, mas sempre com positivismo e esperança.
    Muitos parabéns! És um Campeão!
    Um grande beijo de atleta para atleta.
    Patrícia Gilvaia

  13. uma corredora de fim de semana 1 de Dezembro de 2008 19:36

    Gostei do new look do novo site. E muito atractivo…tal como o protagonista da historia.
    Parabéns. Continua a dar o teu melhor…em tudo o que a vida te proporciona, mas não te esqueças dos que gostam de ti e te estimam.Um escritor para ter sempre disponibilidade para o seu hobbie tem sempre alguém que lhe dá espaço.Beijocas

  14. Pedro LMarques 2 de Dezembro de 2008 10:52

    Muitos parabéns pelo teu sucesso.Corro e treino muito mas ainda não ganhei a coragem suficiente para chegar a uma maratona.
    Tudo vale a pena… a ana é fantástica e acredito que parte do teu sucesso se deve a ela. Não tenho essa sorte…

  15. Paulo Rodrigues 2 de Dezembro de 2008 22:52

    Olá Vitor
    Já tive oportunidade de te dar os parabéns pessoalmente pela tua prestação na maratona.
    Sei que tive a minha quota parte de responsabilidade nesse feito e orgulho-me muito disso,pois desde que pratico corrida regularmente,o meu principal objectivo é tirar prazer da corrida e proporcioná-lo áqueles que nunca o sentiram.
    Agora temos os dois a responsabilidade de fazer com que uma determinada pessoa,sabes bem quem é,ganhe coragem para fazer a maratona.Ele consegue,pois é um lutador,falta-lhe só “um bocadinho assim”
    Abraço
    Paulo

  16. manuel sá 11 de Dezembro de 2008 19:13

    Victor,
    Só no dia da volta a paranhos é que soube do teu blog,como também tive oportunidade de ler na perfeição o relato que fizeste da prova,excelente.
    Quanto ao agradecimento, apenas te digo que é assim que entendo o atletismo ( dar a conhecer as nossas experiencias com os outros ).
    Um abraço, e conta com aquilo que poder.
    Parabéns.

  17. Vitor Dias 11 de Dezembro de 2008 23:10

    Caro Sá

    “Quem corre sozinho faz terapia, quem corre acompanhado faz amigos”.

    A corrida é do melhor que há sobretudo porque através dela conhecemos pessoas fantásticas, com uma sabedoria e experiência da vida que nos engrandece em cada quilómetro que percorremos.

    Obrigado pela companhia nos Kms já percorridos.

    Cumprimentos

  18. Lucídio Dias 14 de Dezembro de 2008 22:12

    Como dizia o amigo Vitor Dias ” através da corrida conhecemos pessoas fantásticas” eu diria e não só.
    Digo isto, porque á dias numa visita a um Hospital do grande porto, para realizar dois exames “difíceis no dizer do povo” conheci um atleta(Médico)da Porto Runners, como eu, mas de outro clube, de quem fiquem impressionado face á sua capacidade técnica e á frescura de espírito enquanto homem, só podia ser atleta.
    Se o Dr. ler este comentário, digo-lhe aqui abertamente que nunca deixe de ser como é, pelo menos como foi no seu atendimejto á minha pessoa, são pessoas destas que fazem falta, para a alegria de todos nós e muitas e boas provas, que se não for antes, estaremos juntos na S. Silvestre do Porto.

    à Porto Runners, parabens pela página é muito boa.

    Saudações desportivas
    LD- SM Lamas

  19. Mark Velhote 30 de Dezembro de 2008 12:45

    Olá Vítor,

    Parabéns pelo relato! É emocionante e revelador da satisfação que se pode obter ao completar esta dura prova!
    Se tudo correr bem vou tentar fazer também a minha primeira maratona no Porto em 2009.

    Abraço

  20. Vitor Dias 30 de Dezembro de 2008 16:23

    Viva Mark

    Por muito que se escreva, é impossível descrever a emoção que sentimos ao ver o pórtico da chegada a aproximar-se.

    Da minha parte, comecei hoje o plano de treinos para atingir o próximo pórtico, em Abril em Paris.

    Um bom ano, bons treinos e força nessas pernas para te tornares também maratonista.

    Cumprimentos

  21. Pingback: Correr por quem não o pode fazer |

  22. Luis Sousa Pires 12 de Março de 2009 23:08

    Vitor Dias,
    Como atleta e fundador do Porto Runners, não quero deixar de manifestar, publicamente, a minha enorme satisfação pela tua opção de te juntares ao nosso clube. Apesar de te conhecer há pouco tempo, não tenho dúvidas em classificar-te como uma pessoa fantástica e que muito enriquece o nosso grupo. Admiro a tua atitude e o teu carácter, que são um exemplo para todos nós. Bem hajas por isso!

  23. Pingback: A minha Maratona de Paris |

  24. Henrique 27 de Janeiro de 2010 22:29

    Esta foi também a minha 1ª maratona. Devo confessar que fiz o tempo que me propus fazer (3h30m a 4h) tendo feito 3h55m. No entanto fiquei bastante insatisfeito, pois sentia que não tinha sido a minha maratona.
    Assim no ano seguinte fiz a minha 2ª maratona e sabem que tirei 24m ao tempo da 1ª? É verdade. Fiz 3h31m e com uma paragem para fazer xixi (fiquei danado, pois teria baixado as 3h30m. Sei que já foi a minha maratona e foi um sentimento fantástico. O enorme prazer que foi ter na meta a receber-me a minha fantástica mulher foi de uma emoção que não consigo descrever. Foi o melhor prémio que podia receber.

  25. Vitor Dias 30 de Janeiro de 2010 16:28

    Olá Henrique

    Grande evolução mas principalmente a prova que assumidamente já és um “viciado” como nós e que corre por prazer. Votos de bons treinos e até um dia destes num qualquer treino ou prova.

    VD

  26. Pingback: Pronto para treinar para uma Maratona? |

  27. Paulo Almeida 24 de Janeiro de 2012 23:18

    Simplesmente inspirador, eu próprio ando nestas “correrias” à pouco mais de meio ano. O grande sonho é realmente a maratona e espero alcançar esse objectivo ainda este ano. A leitura deste site tem sido extremamente proveitosa, motivadora e ao mesmo tempo realista, não me deixando entrar em loucuras e fornecido conselhos excelentes. Tal como tu, há uns tempos atrás só o simples acto de subir uns lanços de escadas deixava-me ofegante, hoje faço meias-maratonas de estrada e montanha e será sem dúvida um momento emocionante fazer a mitica prova de 42km. Obrigado por partilhares esta experiência fantástica. Um abraço e grandes e boas corridas.

  28. Vitor Dias 24 de Janeiro de 2012 23:28

    Olá Paulo

    É um momento inesquecível na vida de qualquer corredor. Vai em frente que lá chegarás. O único problema é que é viciante 🙂 No próximo sábado, irei fazer-me à minha 10ª. maratona e esta já passa os 42 kms (45). Será no Trilho dos Abutres. Até um dia destes numa estrada ou montanha.

    Cumprimentos

  29. Pedro 2 de Novembro de 2012 20:38

    Já tinha lido há algum tempo este relato, inspirador, da 1ª maratona deste atleta, e que que bem contribuiu para tentar dar o “salto” e concretizar a minha primeira maratona.
    O que consegui concretizar no passado domingo 28 de out/2012, mas de forma algo insólita.
    Tendo iniciado a participação, frequente, em corridas de estrada há pouco mais de um ano e meio, é óbvio que a maratona, seria sempre um objectivo a concretizar.
    No início deste ano já tinha colocado essa fasquia, e iniciei, com 3 meses de antecedência “algum” treino, a fim de me preparar para este desafio.
    Tive algumas interrupções, por motivos proficcionais, e especialmente após a meia-maratona em tive que parar, por 15 dias, devido a algumas mazelas.
    Na altura achei que não seria viável sequer tentar a maratona do Porto 2012, pelo que me inscrevi apenas para a family race, adiando assim a minha 1ª maratona para 2013
    Lá fui fazendo a minha prova, ao meu ritmo, mas desesperando em pensar que ainda faltava mais 1 ano para concretizar este sonho.
    Apesar do vento e do frio, sentia-me em forma, motivado e sem vontade nenhuma de acabar a “festa”, pelo que na chegada ao castelo do queijo, decidi passar a prolongamento, e continuar em direcção às caves de Gaia. Ao menos se aqui desistisse, não iria ficar com o sabor amargo da derrota :))
    Lá cheguei à Afurada, mas o difícil foi o regresso: dores, vento, frio, fraqueza, e a começarem a surgir alguns pensamentos negativos ( a famosa barreira dos +-30 km).
    Havia chegar à ponte do Infante, e dar início à derradeira etapa de regresso ao parque da cidade.
    O piso empedrado entre a ponte D. Luís e o parque de estacionamento antes da alfândega, foi mais um doloroso obstáculo, e que de facto não fazia mesmo falta nenhuma… mas teve que ser ultrapassada.
    Mais ou menos junto ao fluvial, a energia estava bastante em baixo, e como não levava suplementos, valeu-me a preciosa ajuda do José, outro concorrente, que me ofereceu gel, e acima de tudo companhia até à meta, o que que foi bastante importante.
    Foi inesquecível chegar ao castelo do queijo e iniciar a subida em direcção à meta. Uma grande e indescritível emoção.
    O que é algo caricato, é que como estava inscrito na family race, a minha classificação oficial acabou por ser… um último lugar com 4:55, mas o verdadeiro prémio foi ter conseguido concretizar o objectivo de chegar ao fim da maratona, e uma ENORME satisfação que não irei esquecer.
    Neste Domingo 28 de Outubro de 2012, acabei por me tornar um “maratonista” acidental, pelo que devo agradecer o companheirismo de outros participantes, e de elementos do público, que nos dão força e incentivo para ultrapassar aqueles momentos em que visivelmente estamos mais debilitados, e em que é muito fácil caír na desistência.
    Cumprimentos

  30. Vitor Dias 3 de Novembro de 2012 10:40

    Olá Pedro
    Obrigado pelo seu comentário.
    Fazer uma maratona sem estar programada não é só insólito como mostra uma força de vontade e uma coragem fora do normal.
    São estas atitudes que fazem com que cada vez mais gente faça parte deste grande pelotão.
    Obrigado pelo testemunho e espero encontra-lo um dia destes num treino ou numa maratona, desta vez oficial 🙂
    abc
    Vitor Dias

  31. Pedro 30 de Setembro de 2013 19:30

    Olá Vitor,

    Tal como já tinha estabelecido como sendo o grande objectivo desportivo para 2013, irei participar na maratona do Porto.
    Este ano consegui uma maior regularidade nos treinos, e felizmente sem lesões.
    Na última meia maratona do Porto fiz 1h58, que esteve dentro do objectivo fixado, que era passar das 2h12 do ano passado, para um registo inferior a 2h00.
    Para esta maratona tenho como objectivo baixar 30 minutos às 4h55 do ano passado, ou seja 4h25, mas não sei se a fasquia será elevada demais…

    Abraço
    Pedro

  32. Vitor Dias 30 de Setembro de 2013 19:48

    Olá Pedro
    Teoricamente é possível.
    Depois depende de como nos sentimos nesse dia.
    Quando falo em teoricamente, refiro-me a uma tabela que publicamos há uns tempos atrás e que lhe poderá servir de referência:
    Cá está ela: http://www.correrporprazer.com/2011/11/maratona-para-que-tempo-deverei-correr/

    Votos de continuação de bons treinos e de uma boa estreia na maratona.

    Cumprimentos

    Vitor Dias

  33. Flamarion Ferreira 29 de Junho de 2014 19:24

    Boa tarde, Vitor.
    Vou correr a minha a primeira maratona no Rio de Janeiro, no próximo dia 27 de julho de 2014.
    Li seu relato fantástico, o qual me emocionou muito e me ajudará bastante.
    Já corri algumas meias maratonas e pretendo concluir a Maratona do Rio de Janeiro em 4 horas, ou simplesmente concluir.
    Abraços
    Flamarion

  34. Vitor Dias 30 de Junho de 2014 11:42

    Olá Flamarion
    Muito obrigado pelas suas palavras. Irá sentir certamente as mesmas sensações que eu e todos os que terminaram a maratona.
    Muito boa sorte, corra por prazer e dê-nos notícias quando alcançar esse feito já no dia 27.
    Cumprimentos

  35. Flavião 1 de Junho de 2016 13:35

    BREVE RELATO DE MINHA PRIMEIRA MARATONA COMPLETA
    Embarquei em um ônibus rumo ao local da largada, acompanhado de um ultra maratonista e mais três maratonistas experientes. Já no ônibus, onde o motorista, que ao nos deixar, em menos de uma hora no local, passou a ser chamado por todos de Schumacher, eu ia tomando conhecimento de o quão longe era a largada da prova, pois no exato momento da chegada ao local, percebi o sentido da frase criada e posta em música, por Tim Maia: ” Do leme ao pontal”, ou seja longe para cacete!!!! Enfim..
    Enquanto aguardávamos a hora da largada, eu só ouvia os caras falando assim: “E ai fulano, vai para quanto nessa prova? E ai Beltrano e vc??? Os caras: vou para 3:30:00, o outro, eu para 3:40:00!!!!!” Eu pensava, caramba eu só quero conseguir chegar vivo e inteiro!!!! rsrsrs!!!!! Largamos, pensei comigo, vou na manha e, assim o fiz. Eu via o povo passar e pensava, esse povo não reza!!!!! Mas até aí, blz show!!!!! Eu cheio de gel na cintura, cápsulas de Sal, remédio para cãibra, parecendo o Batman e, pensando : Tomara que vocês funcionem e bem!!!! Segui no minha pace de 7 sete e pouco!!!! O que para a maioria se chama trote!!!!! Kkkkkkkkkk!!!! Como estou acostumado a corridas de 21K, administrei bem, muito embora, o Sol não estivesse tão gostoso, às nove e pouco da manhã e eu já começasse a senti-lo, mas até aí, normal!!! Chegando no Km 21, em 2:43:00 pensei: Vamos lá, Flavião!!! Segui animado, mas confesso, meio cansadão mesmo!!!! O pensamento era 42k então BAMBORA!!!! Tudo blz até chegar o km 22, olhava para o relógio e percebia que estava ficando mais lento que os kms demoravam mais, aí me aparece um cara do nada correndo e diz: “Bora Guerreiro, a Maratona começa aqui!!! Eu comigo, Putz, pq não avisou antes, to morto!!!!! rsrsrs sqn!!!! Iniciei, dito por ele, a maratona então, a luta pela superação pessoal, a vontade de ser um Maratonista gritava alto em minha cabeça, vai Flavião é a sua hora!!! Muita gente colocando as fichas em vc… a partir do Km28, neste dia em específico, onde o calor e umidade estava tudo muito louco, confesso entendi que correr ou andar já não era o mais importante, o importante para mim, era chegar, mas não de ambulância!!!! Foi ai que apareceu, enquanto eu tentava dar uma corrida no trecho já da Niemeyer, um cara que se chama Igor, para mim, posto ali em meu caminho como um anjo, virou-se, enquanto eu o ultrapassava bem lentamente, pois minha velocidade era quase andando e disse: “Guerreiro, administra melhor isso, anda forte que vai dar no mesmo, se recupera que assim vc não chega” Eu olhei e, comecei a andar ao lado dele. Porém, isso era rápido, olhei para o relógio e marcava pace 8’50 nove e pouco, ele perguntou: “ Sua primeira? Eu disse: Sim e vc? Ele: Sexta, mas quebrei, sou Ultra!!! Mas vou com vc nessa luta, até o fim, Vamos? Eu de imediato: “Lógico!!! Vou dizer uma coisa: Não fosse ele, eu não chegaria, a maturidade, conhecimento da situação por parte dele, eram incríveis, Então, corríamos, andávamos um pouco, seguimos assim por Kms e kms, para mim, doía tudo, eu dizia: “ você não vai parar, enquanto não chegar, já as pernas telegrafavam, nós vamos parar!!!!! “Eu para elas: “caramba, quem manda aqui sou eu e vocês só param na chegada!!! Ele do meu lado, o tempo todo, “ vamos guerreiro vc consegue!!!” Assim foi sendo nossa luta, até que chegamos, Mais ou menos no Km34!!!!! Olhei a praia de Copacabana, nunca vi uma praia tão longa em toda minha vida, fazia uma curva que perdia de vista ao longe!!!! Disse eu para ele: “É campeão vai doer mais!!!!” Ele: “ E muito, mas nós vamos conseguir!!!!” Seguimos e eu pensava, “Não pára Flavio, que se vc parar por qualquer motivo que seja, suas pernas não se moverão mais.. olhei para minhas mãos estavam imensas, inchadas, não as fechava mais, disse à ele: “Igor, olha isso, ele disse: “isso é normal, seu corpo está reclamando o limite, force abrir e fechar as mãos para melhorar sua circulação!!” Aí ele explicou um monte de coisas, técnicas e o porquê disso, enfim, seguimos, ele um pouco melhor, eu já mais que debilitado, mas sem desistir, sem parar nem um minuto, nunca, jamais faria isso naquele momento tão perto de meu objetivo. Chegamos no antigo Meridien, hoje Windsor, o trânsito praticamente liberado, dado o tempo de prova, mais de cinco horas já, foi quando aparece um dos fiscais e grita: “Pára o trânsito seu guarda, atleta MARATONISTA Passando!!” Comecei a chorar, era tudo que eu precisava ouvir!! Enchi o peito de força, a essa altura, já apareciam fotógrafos paravam em nossa frente, fotografavam e ao mesmo tempo diziam:” Não parem , vcs estão sendo muitos guerreiros está perto!!!” As pessoas que ali estavam aplaudiam e eu pensava, “meu Deus eu vou conseguir!!!!” Ele, o Igor, ergueu a mão para mim e falou : “Eu disse, estamos chegando, Flavião , ninguém nos pára mais, parabéns MARATONISTA, sua história no esporte está prestes a mudar aqui!!!” Bati na mão dele com a minha e disse, “Obrigado irmão, sem você isso não estaria acontecendo aqui!!!” Ele disse sério: “Não , Flávio, essa conquista é só sua, você está se superando guerreiro Maratonista, essa é nossa historia, mas o seu mérito ninguém nunca lhe tirará”, imagina eu, ouvindo isso de um ultra maratonista!!!!! Será que chorei??? Chegamos em Botafogo e a movimentação ainda era intensa, só que para desmontar tudo!!! Comecei a avistar as barracas de acessórios já vazias sendo desmontadas, alguns atletas daqueles que olhamos e sabemos são feras, ainda ali, cuidando de seus equipamentos, quando entramos na reta final, já seguidos de ambulâncias, motos de encerramento, quase em últimos lugares, quando percebo que os atletas feras ali desmontando suas coisas nos avistam, páram de fazer o que estão fazendo e começam a nos aplaudir, dizendo, “forca guerreiros, não parem, vcs estão em casa!!”, Putz, eu desabei de emoção… mas, seguindo um deles, que olhava e sorria, de viseira e sem camisa, percebi que os seus olhos estavam cheio de lágrimas e, disse: “Olha, esses caras, por isso amo esse esporte, que exemplo!! Eles estão acabados e não pararam, chegaram aqui nessa hora!!! Gravei os vídeos que muitos já viram em agradecimentos, cruzamos a linha aplaudidos, por quem ali ainda estavam, a menina das medalhas disse para mim , “Eu coloco a medalha em vc guerreiro !!! Parabéns !!!” Olhei para o céu e disse: “Obrigado meu Deus!!!” Abracei o Igor, dei um beijo no rosto do cara e disse à ele: “Jamais esquecerei de vc e deste dia, jamais!!!” Entre no meu carro que vou te levar para seu hotel”. Depois de deixá-lo , parei o carro na esquina seguinte abaixei a cabeca olhei para meu peito, ela estava lá linda brilhando, como se fosse ouro!!! Chorei copiosamente!!! Meu telefone a essa altura não parava, parecia que ia explodir, pois eu havia postado o ali documentado, muita gente ligando chorando comigo escrevendo para mim e, eu só sabia dizer, muito obrigado, muito obrigado!!! E, mais uma vez digo à todos vcs que confiaram em um cara comum, que me fizeram chegar !!!! Eu agora sou um Maratonista!!!

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2018 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.