Pubalgia: sinais, sintomas e tratamento

Autor: Joao Carlos Maia  /   Agosto 15, 2011  /   Publicado em Lesões e Doenças  /   34 Comentários

Pubalgia: sinais, sintomas e tratamentoQuase todos os atletas já ouviram falar em pubalgia e muitos já sofreram com este problema, no entanto pubalgia ainda é um termo envolto em várias dúvidas e mal-entendidos.

O termo genérico pubalgia não se refere a nenhuma patologia em específico, significando apenas dor localizada na sínfise púbica e nas inserções musculares adjacentes, geralmente originada por uma disfunção no sistema músculo-esquelético.

Esta dor pode resultar de uma lesão aguda, acompanhada de processo inflamatório, conhecida como osteíte púbica, ou de um processo crónico, a que se pode chamar lesão por stress da sínfise púbica.

A sínfise púbica é uma articulação relativamente imóvel, localizada na região central à frente da bacia, um “anel” ósseo que suporta e distribui o peso de toda a parte superior do corpo. Para além disso esta articulação tem próximo de si a inserção dos abdominais, dos adutores da coxa e dos músculos do pavimento pélvico.

Estes dois factos tornam mais fácil compreender porque qualquer alteração na relação de forças aplicadas num ponto da bacia, uma dismetria no comprimento dos membros inferiores ou um desequilíbrio muscular podem mudar significativamente a tensão aplicada sobre a sínfise púbica, causando primariamente uma inflamação desta articulação, podendo depois evoluir para um processo degenerativo crónico.

A pubalgia e a corrida

As lesões da sínfise púbica representam 0.5-7% de todas as lesões no desporto e afectam sobretudo os corredores de longas distâncias. As causas mais comuns para a osteíte púbica (inflamação da sínfise púbica) são:

  • O desequilíbrio das forças dos músculos que se inserem próximo à sínfise púbica, especialmente os adutores da coxa.
  • Disfunção da articulação sacro-iliaca (região posterior da bacia), provocando um aumento de tensão na sínfise púbica.
  • A alteração da superfície de treino, geralmente acontece no sentido da superfície mais suave para a mais dura.
  • Os microtraumatimos repetitivos, resultantes do esforço físico excessivo.
  • Forças de cisalhamento aplicadas à sínfise púbica características de movimentos rápidos combinados com desvios laterais, característicos de corridas em terrenos irregulares.

Estudos recentes revelam que o processo inflamatório está presente por relativamente pouco tempo, sendo que, se não for devidamente acompanhada, rapidamente esta lesão se transforma num processo crónico, com alteração das estruturas músculo-esqueléticas adjacentes à articulação.

Sinais e sintomas/ Diagnóstico

  • Dor persistente na virilha durante a corrida, exercícios abdominais e agachamentos, que raramente é impeditiva, mas poderá ser bastante desconfortável.
  • Dor na virilha que se desenvolve gradualmente, podendo ser confundida com uma lesão muscular.
  • Limitação da amplitude de rotação da articulação da anca.
  • Em casos graves pode provocar caudicação.

Uma boa avaliação, incluindo uma história clínica, exame da anca, pélvis, lombar e articulação sacro-iliaca são necessários para ajudar ao diagnóstico de uma lesão da sínifise púbica. Um raio-X poderá confirmar o diagnóstico, demonstrando uma sínfise púbica irregular, com sinais de espessamento do osso e inflamação. Para além disso uma ecografia é frequentemente pedida para confirmar o estado dos tecidos moles envolventes.

Tratamento

O tratamento em fisioterapia, na fase inicial, consiste e controlar os sinais inflamatórios, através de:

  • Descanso: é o conceito-chave de toda a recuperação. É fundamental que repouse de todas as actividades que causam dor. Se dormir de lado deve colocar uma almofada entre as pernas. Repouso não significa parar, pelo contrário, se correr causar dor, mantenha o treino, mas apenas a caminhar, e se mesmo assim sentir dor, diminua o tempo que caminha.
  • Gelo: Aplique uma compressa de gelo na área lesada, colocando uma toalha fina entre o gelo e a pele. Use o gelo por 15 minutos e depois espere pelo menos 45 minutos antes de aplicar gelo novamente.
  • Analgésicos e anti-inflamatórios não-esteróides poderão ser receitados pelo médico para controlar o processo inflamatório e aliviar as dores.

Após a fase inflamatória (2-3 dias) o seu fisioterapeuta poderá recorrer às seguintes técnicas para restaurar o normal funcionamento da articulação:

  • Alongamento dos músculos inseridos próximo da sínfise púbica, particularmente dos adutores da coxa. Devem ser realizados progressivamente e sem provocar dor
  • Mobilizações articulares da anca para ganho de amplitude de rotação
  • Manipulações articulares da sacro-iliaca e sínfise púbica devem ser realizadas apenas por fisioterapeutas mais experientes.
  • O fisioterapeuta poderá aplicar ultra-sons na região da sínfise púbica e próxima à inserção dos músculos adutores para reduzir a dor e controlar o processo inflamatório. Deve ser utilizado apenas em atletas em que a fase de crescimento já tenha terminado.
  • Plano de exercícios terapêuticos para realizar no domicílio que inclua movimentos de rotação da pélvis, e mobilização da coluna lombar e ancas.
  • Assim que os sintomas permitirem, fortalecimento dos músculos inseridos próximo da sínfise púbica, particularmente dos adutores da coxa. Devem ser realizados progressivamente e sem provocar dor. Um aquecimento com técnicas de facilitação neuromuscular propioceptiva poderá melhorar as propriedades do tecido muscular
  • A aplicação de calor antes dos exercícios para aumentar a irrigação sanguínea e de gelo no final para prevenir sinais inflamatórios.
  • Educação do paciente e plano de retorno gradual à actividade.

Exercícios terapêuticos para a pubalgia

Os seguintes exercícios são geralmente prescritos durante a reabilitação de uma lesão da sínfise púbica. Deverão ser realizados 2 a 3 vezes por dia e apenas na condição de não causarem ou aumentarem os sintomas.

Pubalgia: sinais, sintomas e tratamento

Fortalecimento do transverso do abdómen Deitado, com o elástico à volta da cintura. Pressionar o fundo das costas contra o chão e tentar diminuir o diâmetro da cintura. Mantenha a contracção durante 8 segundos. Retorne lentamente à posição inicial. Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.

 

 

Pubalgia: sinais, sintomas e tratamento

Alongamento dos adutores da coxa Em pé, com as pernas afastadas, empurre a bacia para o lado contrário ao músculo a alongar, de seguida, com as costas alinhadas, incline ligeiramente o tronco à frente até sentir o alongamento na região interna da coxa e virilha. Mantenha a posição durante 20 segundos. Alivie lentamente a pressão. Repita entre 5 a 10 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.

 

 

 

 

 

 

 

Fortalecimento dos extensores da anca Deitado, com os braços ao longo do corpo, eleve a bacia até coxas e costas ficarem alinhadas no mesmo plano. Retorne lentamente à posição inicial. Repita entre 8 e 12 vezes, desde que não desperte nenhum sintoma.

Antes de iniciar estes exercícios deve sempre aconselhar-se com o seu fisioterapeuta.

Referências

Hiti CJ, Stevens KJ, Jamati MK, Garza D, Matheson GO. Athletic osteitis pubis. Sports Med. 2011 May 1;41(5):361-76.

Fricker PA, Taunton JE, Ammann W. Osteitis pubis in athletes. Infection, inflammation or injury? Sports Med. 1991 Oct;12(4):266-79.

Johnson R. Osteitis pubis. Curr Sports Med Rep. 2003 Apr;2(2):98-102.

Major NM, Helms CA. Pelvic stress injuries: the relationship between osteitis pubis (symphysis pubis stress injury) and sacroiliac abnormalities in athletes. Skeletal Radiol. 1997 Dec;26(12):711-7.

Autor: João Carlos Maia – Fisioterapeuta

Fonte: www.fisioinforma.com

 

 

 

 

 

Artigos relacionados

  • Pubalgia: difícil de diagnosticar e de tratarPubalgia: difícil de diagnosticar e de tratar Existem muitas dores que afligem atletas e desportistas em geral, sendo que algumas têm características que chegam a ser confundidas com outras patologias. Nestes casos, o diagnóstico correcto é imprescindível para que […]
  • Pubalgia – Exercícios de prevenção e de recuperaçãoPubalgia – Exercícios de prevenção e de recuperação Já aqui falamos desta lesão no artigo Pubalgia: difícil de diagnosticar e de tratar. No entanto pareceu-nos oportuno este vídeo de 6 minutos onde podemos ver vários exercícios de prevenção e recuperação para esta […]
  • CaneliteCanelite A canelite pode ser definida como uma inflamação dos tecidos moles da perna (canela) que causa dor, e é agravada pelo exercício. Esta lesão é originada pela inflamação dos tendões, músculos ou periósteo, causada por […]
  • Joelho de CorredorJoelho de Corredor Joelho de corredor é o nome comum que se dá à síndrome de dor patelo-femural, termo médico que designa dor na face anterior do joelho, proveniente da articulação patelo-femural (ou seja, a articulação entre a rótula e […]
  • Saúde, bem-estar e rotinasSaúde, bem-estar e rotinas O conforto, os resultados e a rapidez ditam hoje o consumo. Aliada á publicidade agressiva e a ritmos de vida intensos, tendemos a recorrer aos pequenos milagres que a publicidade promete. O consumismo vem mascarar a […]
pub_criosauna_596x93

34 Comments

  1. Antonio Armando Santos 15 de Agosto de 2011 12:32

    Bom dia!
    Obrigada pela informação, não sendo uma situação que me afecte, e não me lembro de algum dia o ter tido, é sempre bom sabermos estes sintomas e tratamentos, pois pode-nos vir a afectar!

    Saudações desportivas.

  2. Carlos Silva 15 de Agosto de 2011 18:27

    Obrigado pelo artigo publicado, pois é uma forma de dar conhecimento sobre uma lesão que afeta muitos atletas de pelotão.

    Saudações

  3. Edson Emilio 7 de Setembro de 2011 14:26

    Caros Profissionais, Bom Dia!

    Gostaria de saber qual o anti-inflamatório mais apropriado para uso em casos de pubalgia. Estou com este sintoma a mais de 6 meses, inicialmente uma dor que não limitava as corridas, agora, já não permite jogar futebol mais de 20 minutos.
    Agradeço o retorno se possível sobre o anti-inflamatório.
    Grato.
    Edson Emílio -

  4. lopes da silva 29 de Novembro de 2011 17:53

    a fazer força senti uma dor da perna ao meioa da barriga
    passei a ter dificuldade de sair da cama , dores quando durmo em cima da anca direita , dores quando fecho as pernas , deixeide consefguir correr – mas andar de bicicleta não sinto qualquer dor
    na resonancia diz que verificámos alteração de sinal da sinfise-púbica com edema ósseo bem como edema do músculo obturador externo na sua porção justa-insercional admitindo-se em relação distensão/pequena rotura muscular.
    para melhor caracterização da sinfiser-púbica abiveran-se cortes de tomografia compturizada onde se evidencia pequena irregularidade óssea na área de inserção do oburador, podendo traduzir pequeno arrancamento(?)

  5. José Carlos 21 de Julho de 2012 3:21

    eu tive essa lesão em dezembro de 2011 e sentir muitas dores na regiaão pulbiana, quando levantava da cama , quando fazia esforço rapido, pegava peso sentia muito desconforto abdominal tomei varios anti-inflamatorios e hoje ainda sinto dor quando pego algum peso ou tenho relações sexuais, não tenho repouso total pois trabalho muito em pé. o que eu devo fazer.

  6. Fernando 26 de Outubro de 2012 16:32

    Gostei muito

  7. carlos 28 de Novembro de 2012 22:06

    estou com edema osseo subcondral na sinfese pubica ja estou em tratamento,dói demais não consigo mais dar arrancadas fazer mov. bruscos meu medico disse q o tratamento é longo…

  8. RICHARD 1 de Dezembro de 2012 22:44

    ola gostaria de saber qual o tratamento para este diagnostico que recebi do medico e qual anti-inflamatório devo tomar ??

    Esclerose do osso púbico junto a sínfise púbica bilateralmente principalmente a esquerda e discreto edema da medular óssea do púbis esquerdo.
    os achados são sugestivos de osteite púbica.

    aguardo retorno via e-mail

  9. Bruno 26 de Dezembro de 2012 21:20

    Boas, gostaria de saber se a cortisona, ex.: Diprofus ajuda no tratamento. Localizada?
    Não posso para de fazer atletismo. Se souberem de algo que me possa ajudar, digam sff.
    Abraço

  10. Daniel 1 de Abril de 2013 21:23

    Gostaria de saber qual o numero do cid para esta doença

  11. eder silva 4 de Junho de 2013 4:02

    o q faco…eu tive esse problema ha 2 anos atras e tratei… e agora vltou com a mesma intensidade de dores…e sempre tratei e fortaleci… o k devo fazer

  12. eder silva 4 de Junho de 2013 4:06

    pode chegar a uma cirurgia????

  13. lucas 10 de Junho de 2013 13:36

    olha eder tenho pubalgia porem continuo praticando esporte graças ao fortalecimento que eu fiz e mantenho ..porem lembro que falaram na fisioterapia se vc fortalece melhora e dps reincide e volta tudo de novo a melhor opçao era a cirurgia , acredito se vc quer continuar praticando suas atividades deveria faser a cirurgia e o tratamento com pessoas que estao ligadas de verdade ao esporte e sempre manter o fortalecimento

  14. Edmilson 17 de Novembro de 2013 15:03

    Adquiri essa lesão em agosto de 2013, alguns dias depois de uma 1/2 maratona em montanhas (a 1ª vez que senti essa dor foi em 1996 quando ainda jogava futebol), comecei a sentir muitas dores na região da virilha e depois passou para a região pulbiana, quando levantava da cama , quando fazia esforço rapido, pegava peso sentia muito desconforto abdominal tomei varios anti-inflamatorios e hoje ainda sinto dor na região da virilha. o que eu devo fazer.

  15. Esdras Silva 27 de Janeiro de 2014 20:02

    Boa tarde ,gostaria de saber em média quanto tempo depois do tratamento ainda sinto dores na virilha e se isso é normal?

  16. Esdras Silva 27 de Janeiro de 2014 20:04

    E se for crônica como proceder?Cirugia?

  17. ronaldo 3 de Fevereiro de 2014 17:35

    sinto dor na região do púbis a mais de 10 anos e isso diminuiu meu rendimento no futebol. Gostaria de saber se meu caso será só com cirurgia. sempre que jogo bola sinto muita dor no término do jogo. se puder responder no meu email.. grato.

  18. joelson 26 de Fevereiro de 2014 0:00

    Amigos estou com edema ósseo subcortical jä faz mais de um ano acho que está crônico o meu caso o que devo fazer mais , pois já fiz de tudo fisioterapia tratamento com medicamento e nada de me curar vocês tem alguma opinião por favor me recomendem. Obrigado

  19. hilton l jordao 26 de Fevereiro de 2014 20:25

    obrigado pelas informaçõe que foram muito importantes para mim, pois estou com pubalgia na fase inicial, em tratamento fisioterápico.

  20. Luisa Cordeiro 7 de Março de 2014 16:15

    Boa tarde.
    No seguimento da procura de uma razão que se possa enquadrar à situação que me encontro atualmente, li o artigo publicado, o qual relata sintomas e circunstâncias com similaridades ao meu episódio.
    Circunstâncias: Decorrente durante uma caminhada de cerca de 5 km’s na praia junto à água, em plano inclinado. Antecedido de dois dias de atividade de ginásio e corridas, com período de interrupção de 6 meses.
    Sintomas: Dores alucinantes em omoplata esquerdo a irradiar para o braço até a extremidade dos dedos. Após 8 dias a fazer paracetamol, sem efeito na diminuição da dor, aparece inchaço na zona da púbis e dor na virilha, com odor da urina mais intenso. A posição de sentado, as dores agravam consideravelmente, sendo insuportável andar de automóvel.
    Face ao quadro acima descrito, aparentemente poderei estar com pubalgia.
    Agradeço opinião e o que devo fazer, atendendo que fui orientada para a Neurocirurgia.
    Cps, Luísa Cordeiro.

  21. nando rodrigo 11 de Abril de 2014 16:02

    Gostaria que o site fornecesse telefone de médicos com BOAS INDICAÇOES Existem poucom medicos com experiencia no assunto

  22. Ines 8 de Maio de 2014 13:49

    Nando, eu tenho essa lesão, consultei 2 médicos, ambos são muito bons, pode confiar: Dr. Jose Marques Neto e Dr. Mauro Martineli. O grande problema é encontrar fisioterapeutas que conheçam bem essa lesão, principalmente que atendam pelos convênios. Boa sorte!!

  23. Thiago M. 28 de Maio de 2014 20:15

    Eu tive essa inflamação no púbis a um ano. Não tem jeito, você tem que parar todas as atividades físicas e fazer o uso correto do anti-inflamatório. Assim que não senti mais dor, iniciei as seções de fisio. Fortalecimento dos músculos abdominais inferior e superior (através de exercícios de prancha de isometria). Fortalecimentos de todos os músculos da coxa (quadrante). Mas nunca mais voltei a ser o mesmo jogador, sempre meio “duro”, com receio de machucar… E é muito importante manter o fortalecimento e sempre fazer as seções de alongamentos passadas pelo fisioterapeuta, ou seja, dá um trabalho danado e exige muita disciplina…

  24. Marcelo Ilha 10 de Junho de 2014 15:15

    Estou com sintomas de pubalgia, em decorrência do futebol e gostaria de saber qual o anti-inflamatório mais indicado para este caso!

  25. Meira 31 de Julho de 2014 0:37

    Estou com pubalgia o que fazer

  26. Fernando 26 de Agosto de 2014 22:47

    Olá pessoal boa noite!
    dia 11/06, tive uma queda de bicicleta machuquei o joelho e a virilha ou bacia, e de lá pra cá venho mi tratando, colocando gelo anti-inflamatorio, ja fiz alguns enxames e nao deu nada, dair foi preciso fzer 3 ressonancias(joelho dir, bacia e coxa esq) nas minhas condiçoes eu ja fiz uma e mostrarei a um ortopedista amanha::: o que precisamente seria este diagnostico, alguem pode mim ajudar
    ///discretas alteraçoes osteodegenerativas da sinfise púbica///
    se alguem poder mim ajudar de alguma forma , fico muito grato
    desde ja desejo melhoras pra todos

  27. Marilene Moreira Souza 12 de Setembro de 2014 18:52

    Achei muito bom, e o mais importante é que além de se inteirar do seu diagnóstico ainda tem as precauções a serem tomadas bem como evitar possíveis problemas de saúde.

  28. Mauricio Saturnino 14 de Outubro de 2014 15:24

    Bom dia, estou com sintomas de pubalgia,qual profissional devo procurar?

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2014 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.