Pubalgia: difícil de diagnosticar e de tratar

Autor: Ana Maria de Freitas  /   Março 13, 2009  /   Publicado em Lesões e Doenças  /   143 Comentários

Existem muitas dores que afligem atletas e desportistas em geral, sendo que algumas têm características que chegam a ser confundidas com outras patologias. Nestes casos, o diagnóstico correcto é imprescindível para que o tratamento dê resultado. Uma dessas dores é a pubalgia, que incomoda alguns corredores e que precisa ser tratada para não atrapalhar os treinos e as competições.

O termo pubalgia denomina dor no púbis (o osso que se localiza no final do músculo do abdómen, sob a região genital, fazendo parte do osso do quadril.

Esta denominação é muito abrangente, o que muitas vezes gera confusão, pois os seus sintomas podem assemelhar-se a outras patologias. Para alguns autores este termo é usado para a ocorrência da lesão do canal inguinal, mais conhecida como hérnia inguinal.
Outras patologias que têm sintomas parecidos são: hérnia inguinal, doenças geniturinárias, osteítes púbicas (síndrome do músculo grácil e síndrome do músculo piriforme), prostatite, bursites na região do quadril ou artrite do quadril. Porém, mais que uma causa pode estar associada à dor no quadril. Abordaremos nesta matéria somente a dor na virilha relacionada à tensão da musculatura dessa região com ou sem alteração do osso do púbis e sem hérnia inguinal.

A dor na região da púbis ou na virilha é muito comum em atletas e pode ser aguda ou crónica. Atinge principalmente jogadores de futebol e ténis, mas também corredores de longa distância (maratonistas), ou corredores de aventura. É mais frequente em homens do que em mulheres devido à quantidade proporcional de praticantes de futebol e também às diferenças anatómicas e biomecânicas dessa região do corpo (a bacia da mulher adapta-se melhor aos impactos dos desportos).

Mecanismos de lesão e causas

Os mecanismos de lesão podem incluir alterações rápidas de direcção, movimentos repetidos de corrida associados a desequilíbrios musculares, traumas directos, diferenças no comprimento dos membros inferiores, prática desportiva em pisos duros, uso de calçados inadequados e excesso de treino.

A causa mais comum da dor na virilha é a distensão ou tensão exagerada da musculatura que envolve esta região, abrangendo os músculos adutores longos, recto abdominal, iliopsoas, pectíneo e recto femoral. Pouca flexibilidade da musculatura da região do quadril e pélvis, assim como instabilidade de quadril e desequilíbrio muscular entre adutores e músculos do abdómen, também podem contribuir para o surgimento da pubalgia.

Quando a pubalgia tem sua causa na musculatura, o músculo e tendão mais acometido normalmente é o do músculo adutor (porção longa), podendo apresentar uma inflamação crónica ou até uma lesão das fibras (ruptura de uma parte do tendão ou músculo). Outro músculo habitualmente atingido é o repto abdominal na região que se insere no osso púbis. A tensão nestes dois músculos desequilibra o quadril, pois o músculo repto abdominal traciona o osso do quadril para cima, enquanto o adutor puxa para baixo.

Sintomas

A dor é bem localizada na virilha e pode acometer apenas um lado ou os dois. Normalmente ocorre durante a corrida (ou outro desporto), mas se o atleta continuar a correr a dor pode aparecer durante outras actividades como sentar-se e levantar-se de uma cadeira, subir e descer escadas, agachar, mudanças de direcção abrupta, aceleração e chuto. Os corredores normalmente apresentam dor localizada e forte desde o início da doença.
Se houver irradiação da dor, o atleta pode sentir incómodo na região de abdómen inferior, adutores, região genital e lombar, caso haja associação com alterações da articulação sacroilíaca (junção do quadril e porção final da coluna).

Diagnóstico

Quanto mais demorado for o início do tratamento maior será o tempo de recuperação. Quando diagnosticado e tratado rapidamente o corredor tem a possibilidade de não se afastar da corrida, tendo apenas o seu treino modificado até a recuperação total. O tempo de afastamento do desporto depende de cada caso.

O diagnóstico médico é de extrema importância. Além do exame físico, os exames de imagem auxiliarão o médico a fazer o diagnóstico correcto. O raio X pode mostrar lesão do osso púbis, calcificação dos tendões acometidos, osteoartrite ou instabilidade pélvica. Já a tomografia computadorizada e a ressonância magnética podem evidenciar outras causas da dor na virilha, como a existência de hérnia inguinal ou lesões musculares e tendíneas.

Tratamento

O tratamento para dor na virilha decorrente da hérnia inguinal é, na maioria das vezes, cirúrgico. Já o tratamento para pubalgia decorrente das alterações musculares e ósseas é conservador. Esse é o principal motivo de escolhermos o segundo tipo para aqui abordarmos. Além do tratamento médico, a acupunctura e a fisioterapia auxiliarão a completa recuperação.
O objectivo do tratamento fisioterápico consiste em diminuir a dor e a inflamação, aumentar a resistência do tendão ou tendões acometidos, restabelecer o equilíbrio muscular, melhorar a estabilidade do quadril e da coluna. É recomendada a aplicação de bolsa de gelo por 20 minutos no local da dor, duas a três vezes por dia, desde o início do aparecimento da dor até o final do tratamento.

No início da patologia não se deve correr com dor. Muitas vezes, após a realização do tratamento correcto, no retorno ao desporto pode acontecer um pouco de dor durante a corrida, mas essa dor pode ser descrita mais como um incómodo do que dor. A musculatura acometida precisa de um tempo de adaptação, o que justifica esse incómodo, bem diferente da dor durante a pubalgia.
A pubalgia é um grande desafio na medicina desportiva. Não é apenas um problema para ser diagnosticada, mas também de difícil tratamento. Se não tratada correctamente pode se tornar crónica e atrapalhar a vida desportiva dos atletas. É uma patologia que requer um acompanhamento multidisciplinar. Siga a orientação do seu médico e procure um profissional capacitado para acompanhar a sua reabilitação. O fisioterapeuta poderá utilizar técnicas de terapia manual e correcções posturais como RPG (Reeducação Postural Global) para proporcionar uma recuperação segura e completa (sem recidivas). Dessa forma você não sentirá tantas saudades da corrida…

Trabalho da autoria de Alessandra Arkie e Kenia Guerra Baumann

A publicação deste artigo foi feita com a autorização e gentileza da Revista Contra-Relógio (Brasil).

Artigos relacionados

  • Pubalgia – Exercícios de prevenção e de recuperaçãoPubalgia – Exercícios de prevenção e de recuperação Já aqui falamos desta lesão no artigo Pubalgia: difícil de diagnosticar e de tratar. No entanto pareceu-nos oportuno este vídeo de 6 minutos onde podemos ver vários exercícios de prevenção e recuperação para esta […]
  • CrioterapiaCrioterapia A palavra Crioterapia deriva do grego (Krios) que significa Frio e Terapia (tratamento). Ou seja, refere-se ao tratamento através do frio. A crioterapia é a aplicação terapêutica de uma substância ao corpo, […]
  • Exercício físico. Saber ouvir os sinais do corpo quando a dor atacaExercício físico. Saber ouvir os sinais do corpo quando a dor ataca Há uns dias atrás li este interessante artigo, exclusivo New York Times e do Jornal i, que resolvi partilhar convosco. Trata-se de uma matéria extremamente ingrata para quem corre, que se resume à eterna dúvida, parar […]
  • A Gripe A nas corridasA Gripe A nas corridas Seremos nós corredores mais vulneráveis a esta doença do que os sedentários? Parece-me inevitável que no início do Outono, princípio do inverno muitos serão os afectados por esta doença, que embora possa não ser tão […]
  • Asma, Alergia e Desporto: um “triatlo” duro de vencerAsma, Alergia e Desporto: um “triatlo” duro de vencer A asma é uma doença do foro respiratório. Consiste numa inflamação crónica a nível dos brônquios, geralmente associada a uma obstrução generalizada das vias aéreas, que em indivíduos mais susceptíveis pode provocar […]
pub_criosauna_596x93

143 Comments

  1. Norberto 18 de Junho de 2012 22:35

    Oi,malta tive uma pubalgia com 31 anos, hoje com 42 continuo com dores, fiz fisioterapia durante meses alogamentos especificos,durante estes anos fui a quiropatas, ostiopatas e a varios fisioterapeutas. fui operado a uma hernia inguinal, tirei glandolas das virilhas,tive de abandonar todos os desportos. j´´a n~~ao sei o que fazer.

  2. Dias 7 de Agosto de 2012 14:30

    Olá Francisco,
    Estou com problema na região do púbis também. Você poderia me dizer quanto tempo ficou só em repouso antes de iniciar o deep running? O médico disse pra eu ficar 6 meses parados com tudo pra me recuperar. Você ficou tanto tempo assim? Obrigado desde já pela atenção

  3. Bruno 27 de Agosto de 2012 19:44

    A dor apareceu-me há cerca de 7/8 meses e nunca consegui fazer exercício físico a 100% o que fez com que perdesse metade da época de futebol. No entanto o que mais me preocupa é que eu vou para a universidade para o curso de desporto e tenho mesmo de estar a 100%. Já fui a alguns sítios fazer diagnósticos e todos disseram pubalgia crônica. No dia-a-dia não me incomoda muito no entanto não consigo fazer o que mais gosto, desporto, e principalmente jogar futebol. Quando tento jogar só consigo a 50%, fico lento e nem consigo rematar. Preciso mesmo de ajuda pf.

  4. Denis 14 de Setembro de 2012 16:58

    Fiz todo tratamento correto com aconpanhamento de um medico, mas Sinto uma leve dor na virilha ao me alongar. quero saber se é bom alongar mesmo que não esteja sentido dor? pois não sinto dor mas quando alongo ela volta. o q fazer ?

  5. Carlos 2 de Novembro de 2012 1:11

    Tive problema no púbis e consegui recuperar. Fiz um blog detalhando minha recuperação. http://www.contrapubalgia.blogspot.com

  6. paulo 15 de Novembro de 2012 17:36

    Fiz uma cirugia de hérnia abdominal desnecessariamente, agora estou a vários meses em fisioterapia para pubeíte sem melhora alguma.
    Estou a mais de um ano parado no esporte.
    Busco informações sobre tratamento e caio nas mesmas orientações que não deram resultado.
    Este artigo não fala nada sobre tratamento e manda consultar fisioterapeutas. Já fiz isso e percebo que não sabem nada além do básico que não funciona.
    Em um tratamento de um atleta federado na Unifesp foram retirados antiinflamatórios, e suspendeu-se tratamento convencional feito outros fisioterapeutas, para iniciar a aplicação de uma técnica dolorida de pressão do local. Essa foi o único tratamento que teve sucesso.
    Mas não vejo nada disto escrito.

  7. Jose emilio hecker 14 de Dezembro de 2012 1:03

    É INCURAVEL NEM OS MEDICOS CUROS OS JOGADOES EXEMPLOS KAKA
    FERNANDAO NAO CONSEGUEM MAIS JOGA IMAGINEM VOCES SEM RECURSO ALGUM
    VAO CONSEGUIR

  8. Orlando Silva 24 de Janeiro de 2013 14:55

    Este tipo de lesão é mais comum nos futebolistas, no meu blog http://www.corresaltalança.pt também podem encontrar artigos relacionados com lesões e tratamentos!

  9. Ilton 29 de Janeiro de 2013 13:31

    Já estou a quase 7 meses com esse problema!
    Já perdi o número de fisioterapias, vascinas e remédios que tomei.
    Agora estou tentando pela acumputura, ainda não obtive bons resultados.
    Então vou agora fazer um infliltração, mas estou com medo por ser algo tão agressivo.
    Poderia me ajudar no meu caso ?
    Só sinto dor quando faço um esforço muito grande na virilha esquerda, quando vou correr ou jogar bola.
    Obrigado.

  10. Vinicius Leal 16 de Abril de 2013 14:37

    Eu estou com uma lesão no púbis a meses e incomoda demais, sinto muitas dores na altura da ponta do fêmur com a bacia, dos dois lados da perna, jogava futebol constantemente e sempre que ia fazer um movimento de chute ou forçava mais a perna, sentia muitas dores.
    É uma lesão muito chata, eu fico um tempo sem jogar e ela da uma melhorada, mas ao voltar a jogar sempre volta a lesão.

  11. marcio siqueira 20 de Julho de 2013 19:04

    preciso fazer contato com medico joaquim grava preciso do seu contato, para uma consulta; por favor se vc tiver mande me este contato

  12. Dias 20 de Julho de 2013 21:18

    Vou tentar ajudar alguns de vocês.
    Eu tive uma lesão correndo (não é pubalgia) que é algo assim: reto femural com a junção miotendínea. Durante um ano eu fazia como o colega Vinicius acima, parava, voltava com um pouco de dor, a dor aumentava, parava de novo, e assim ia. Por fim a dor aumentou muito e foi uma lesão grave. Tentei tratar com um médico que me passou 10 sessões de fisioterapia e mandou ficar 06 meses parado. Fiz a fisio e não consegui ficar parado mais que 01 mês. Comecei a nadar mas a dor não melhorava. Correr nem pensar. Então procurei outro médico e ele me disse que eu teria de fazer fisioterapia durante 06 meses e nesse período não fazer nenhum exercício além de uma caminhada bem leve. Fiz isso faltando bastante da fisio. Depois de 06 meses voltei no médico e ele me disse que a lesão virou uma fibrose e que já está cicatrizada. Ele me indicou três meses de musculação para fortalecer a musculatura da região antes de voltar a correr. Eu posso também pedalar com intensidade média. Disse que essa dor pode me acompanhar pela vida toda, mas que se eu fizer fortalecimento muscular a tendência é diminuir. Sempre terei de tomar cuidado para não exagerar para evitar nova lesão no mesmo local, mas vou poder voltar a correr em breve. No dia-a-dia a dor já diminuiu. É uma dor leve mas tranquila, e tem dias que nem dói. Enfim, o que digo é que alguns casos tem de ter paciência e fazer o tratamento certo (que demora), mas assim dá pra voltar a correr de novo. No caso de quem joga futebol acho que o tratamento leva um pouco mais de tempo para fortalecer os músculos que envolvem o chute (impacto maior), mas creio que também é possível voltar. O médico disse que quanto mais forte os músculos ao redor estiverem menos dor vou sentir, mas que tenho de diferenciar quando a dor “ameaça” nova lesão para dar uma parada “antes” de lesionar (e sempre fazer o fortalecimento se quiser correr). Enfim, espero ter dado uma luz pra quem passa por problema semelhante. Abraços

  13. WALTER 24 de Agosto de 2013 3:06

    Estou com dores na região da virilia sem saber a causa. Tudo começou após uma aula de surf onde fiz esforços para subir na prancha sem nenhuma habilidade,porém na hora nada percebi, só depois de alguns dias comecei a sentir dores agudas ao levantar da cadeira ou cama girando a perna para fora ou ao levantar a perna como se fosse por o pé encima da cadeira para amarrar o tênis, também quando espirrava a dor era bem aguda.Quando tomo anti-flamatório melhora até passar o efeito e volta o desconforto. Como fiz cirurgia do quadril e voltei a nadar e fazer caminhadas fico sem saber se estou exagerando ou se é uma pubalgia, dor muscular e até mesmo uma hernia inguinal, coisa que já tive e operei há +ou- 8 anos. Estou meio perdido com o caso.

  14. JOSE MANUEL PINTO DA COSTA 9 de Outubro de 2013 12:01

    BOM DIA,EU NUNCA FIZ DESPORTO ALGUM E HÁ + – 5 ANOS ATRÁS,COMECEI A TER DORES NA VIRILHA LADO DIREITO,FUI AO MEDICO E ME RECEITOU O VOLTAREN,FEZ-ME BEM,ALIVIAVA AS DORES,ISTO ARRASTOU-SE POR MUITO TEMPO,ATÉ QUE FUI A UM ORTOPEDISTA E ESTE ME MANDOU PARA O HOSPITAL.NO HOSPITAL FIZ RM À COLUNA E O MÉDICO DISSE QUE PRECISAVA DE FISIOTERAPIA,FUI FAZER FISIOTERAPIA E AÍ…VIERAM MAIS DORES E AGORA TAMBÉM NA VIRILHA DO LADO ESQUERDO,FIQUEI COM DORES MAIS FORTES E NAS DUAS VIRILHAS.FUI DE NOVO A OUTRO ORTOPEDISTA,ESTE ME MANDOU FAZER TAC RADIOGRAFIAS E RM ÁS VIRILHAS DOS DOIS LADOS,NÃO ACUSOU NADA NESTES EXAMES.COMO TINHA MUITAS DORES E TOMEI MUITOS MEDICAMENTOS E JÁ TINHA FEITO 80 SESSÕS DE FISIOTERAPIA,O MEDICO MANDOU-ME IR A OUTRO HOSPITAL,FUI E FOI DIAGNOSTICADO PUBALGIA,FIZERAM INFILTRAÇÕS NAS DUA VIRILHAS HÁ DUAS SEMANAS,MAS…CONTINUO COM AS DORES!QUE PODEREI FAZER?ALGUÉM ME PODE AJUDAR?
    OBRIGADO

  15. Balta 18 de Outubro de 2013 0:59

    Existe alguma lista de cirurgiões que façam essa cirurgia?
    No meu caso, assim como o de outros aqui, o médico diz que não faz esse tipo de cirurgia.
    Além de Fisioterapia, acupuntura, Ostepatia, RPG, Pilates fiz artroscopia do quadril (para retirar o pinçamento) e nada melhora. Já são 1 ano e 7 meses de frustração.
    Ai pergunto…Existe alguma lista de médicos que fazem isso?

  16. rudimar santos 12 de Janeiro de 2014 17:58

    hola entrei aqui nessa materia para saber sobre dores abedominais.que desce para o cordao dos testiculos e achei enteressante o q aqui esta escrito.eu sinto muita dor abdominal nao consigo correr nem jogar futebol se eu jogar depois q paro quaze nao consigo caminhar ja tomei um monte de antiflamatorio.e nada parei de jogar mais quando volto comessa tud d novo.eu estou pedindo ajuda de alguem q entenda dessaas dores me ajudem me indique um remedio porq nao sei mais o q fazer.estou bem frustrado com essas dores.

  17. Henrique 18 de Janeiro de 2014 3:06

    Estou tratando de uma pubalgia a 3 meses e voltei a fazer exercício com bola. Sinto um pouco de encomodo ainda, será q isso é realmente normal? Os fisioterapeutas falao q o corpo tem q adaptar com os movimentos. Não é nenhuma dor forte não, apenas um encomodo. Alguém pode me dizer. Abraço a todos

  18. lucas 24 de Janeiro de 2014 18:43

    Henrique tratei pubalgia com varios fisioterapeutas
    porem so o ultimo que resolveu mesmo e lembro que depois de quase 2 meses de fortalecimento eles iniciam o retorno ao esporte, esse momento é o mais dificil pois mesmo fortalecido vc ainda sente dores pra fazer o exercicio e o que eles me falaram era o seguinte quando doer faz mais (desde que nao seja uma dor muito mais muito limitante e verificar se nao fica dolorido no dia seguinte)e vou ser sincero sinto alguma dorzinha até hoje e lhe dou a dica aqueça muito antes de praticar seus exercicios (principalmente adutor) para sentir menos essa dorsinha e depois que seus fisioterapeutas te liberarem sempre continue com fortalecimento,abraços e melhoras.

  19. Henrique 28 de Janeiro de 2014 23:13

    Iae Lucas. Valeu mano, to treinando todo dia com bola e to sentindo melhoras a cada dia, mais sinto umas fincada de vez enquanto quando fasso um movimento muito diferente, o corpo ta adaptando. Mais no dia seguinte não sinto dor nenhuma. Meus fisioterapeutas falarão q e durante 1 mês ou mais vo sentir esses incômodos ainda. Muito obrigado e abraço

  20. marcus 21 de Março de 2014 17:08

    Boa tarde,bom não sei ao certo como chamar se é testículos ou saco escrotal,o motivo é poque sinto pequenas dores nessa região,porem não sei dizer se é na virilha ou em um desses dois nomes acima,quando urino as dores diminuem,poderiam por gentileza me explicar o porque dessa dores.Obrigado

  21. joão 14 de Abril de 2014 14:42

    Olá a todos tenho lido alguns comentários e algumas respostas tendo-me identificado em alguns deles …

    Faz em Maio um ano que durante uma aula de fitness senti uma forte dor na virilha … depois de colocar gelo, repouso, anti inflamatórios (5 dias)fui ao medico que disse tratar-se de uma pubalgia mas pelo sim pelo nao fiz uma eco para ver se era hernia e não era … dai ate hoje foi saltar de medico em medico fisio em fisio e nada ate me operaram a 2 hernias inguinais por laparoscopia porque um dos medicos disse que era … mas 3 meses depois estou novamente com as dores e fiz ressonancia à coluna e à anca e somente aparece um edema no pequeno gluteo …. sera que esse PEQUENO edema no gluteo faria doer na zona da pubis e durante 1 ano inteiro???? o pior de tudo é que sou licenciado em desporto e estou à 1 ano sem exercer por causa desta dor …. ja tentei tambem de tudo … um dos medicos agora quer fazer me uma cirurgia em que corta o areto abdominal e o grande adutor para aliviar a tençao ja alguem fez algo do genero e recuperou???

    A DOR QUE SINTO NÃO É MESMO NO CENTRO DA PUBIS É MAIS PARA O LADO DIREITO … É UMA DOR CONSTANTE POR VESES SUAVE OUTRAS VEZES EM MOVIMENTOS SIMPLES DO DIA A DIA DÁ UMA GUINADA QUE DESCE PARA A COXA OU SOBE LIGEIRAMENTE PARA O ABDOMINAL LATERAL … A PAR DISSO DOI-ME A LOMBAR A ZONA DO GLUTEO E POSTERIORES DA COXA TUDO DO LADO DIREITO ….

    Só não entendo como não surge nada a nivel da anca na Ressonancia magnetica … diz mesmo que a nivel musculo esquueletico esta tudo bem tirando a tal edema … é possivel ter uma pubalgia e nao aparecer na RM?? É POSSIVEL TER UMA DOR À 1 ANO E NAO APARECER NADA NOS EXAMES ??? DESCULPEM O TEXTO MAS É O DESESPERO … passam-nos de maço para cabaço e nimguem resolve … tratar algo que se tem é dificil tratar uma dor que nao se sabe de que é torna-se muito pior …

  22. joão 14 de Abril de 2014 14:46

    esqueci-me de dizer que tambem por vezes a guinada vai em direçao ao testiculo direito … parece que vai sempre na mesma trajetoria como se fosse atraves de um nervo que irradia para lá mas nem a RM nas ECO mostratram nada de anormal …. que nervos

  23. rebeca 20 de Abril de 2014 0:59

    estou com um carocinho na recião pubiana, do lado esquerdo fica ente a minha perna e a região, doe quando uso causa jeans, ou uma casinha muito apertada, estou começando a me encomodar com isso, lembro-me de antes de notar o apareciento desse carocinho eu havia durmido com uma calsinha muito apertada, ah tbm me mlembro de uma pancada que levei lá. Por favor me responda! estou ficando muito aflita

  24. lucas 21 de Abril de 2014 3:10

    Joao tenho pubalgia(porem controlada)fiquei em torno de 18 meses tratando(porem so os ultimos 5 meses que realmente valeram a pena),o que posso te dizer é que muito poucos profissionais na area de ortopedia e fisioterapia sabem tratar a pubalgia ,no periodo do meu tratamento consultei com varios medicos e fiz 2 RM uma com um pouco de alteraçao na sinfise pubica a outra nao acusou nada pelo diagnostico(porem meu medico ao olhar mais detalhadamente conseguiu achar novamente as pequenas alteraçoes na sinfise pubica)
    o que eu te aconselho é fazer tratamento com pessoas que realmente esteja ligada ao futbol(falo futbol pois o maior numero dessas lesao se da em jogador de futbol)preocura profissionais de clubes de futbol e explica sua situaçao (principalmente pros fisioterapeutas)e pergunte no que eles pode te ajudar no tratamento.agora se vc ja fez um tratamento correto e nao obteve resultado nao vejo porque vc nao fazer a cirurgia.

  25. lucas 21 de Abril de 2014 3:17

    rebeca acredito que o seu problema nao se trata de pubalgia ,pesquise sobre hernia inguinal

  26. lucas chaves 24 de Abril de 2014 15:30

    Fui diagnosticado com lesao nos.adutores da coxa e inflamacao degenerativa no pubis. Ja venho sentindo dor a mais de ano. Qual o tratamento adquado.

  27. lucas 26 de Abril de 2014 18:04

    lucas chaves meu tratamento teve bastante exercicios isometricos para musculatura da coxa (principalmente adutor) e tbm para reto abdominal.si quiser me passa skype ae que te passo os exercicios que eu faço.

  28. Esquerdinha 17 de Maio de 2014 0:41

    Pessoal, não acredito que ninguém tenha conhecimento de um tratamento que realmente resolva este problema. Pelo que li nos comentários fiquei mais preocupado só pelo fato de pensar em parar de jogar futebol definitivamente.

  29. Diego 28 de Maio de 2014 21:02

    Lendo todos esses testemunhos, fica evidente que muita gente sofre dessa patologia que na minha opinião é o inferno na vida de um esportista, vejo também o quanto sabe-se muito pouco sobre a recuperação desta tal “Pubalgia”, chega a preocupar todos, mais enfim vai meu testemunho. Eu sofro da dor no púbis, virilha a mais de 2 anos e meio, e 1 ano atrás fui diagnosticado por RM com “Sinfisite púbica ou Pubalgia, que nada mais é a inflamação da sínfise púbica, após o diagnóstico parei com as atividades físicas e os jogos de futebol , incluindo campeonatos e peladas, e comecei com fisioterapia, fiz 20 sessões e nada, a dor diminuia, mais quando forçava um pouco voltava como antes, após 2 meses parado tratando com todos os modos possíveis, desisti e voltei a jogar futebol a base de anti-inflamatórios e analgésicos, porém 2 meses jogando com a dor e incomodo, em um jogo de campeonato de futsal, eu abri a outra virilha que estava boa, ou seja sem a dor da pubalgia, tive distensão nível 3(ruptura) na virilha esquerda, pois estava com o abdome e aregião púbica muito fraca e sobrecarregado. Enfim hje estou a 2 meses sem conseguir andar direito sem dor e não sei o que faço mais, estou desanimado só em pensar em não conseguir a fazer atividade física qualquer por causa dessa doença. Tenho 28 anos e nunca tinha sofrido lesão alguma no corpo, e jogo futebol desde os 5 anos.

  30. Inês 29 de Maio de 2014 12:27

    Bom Dia, venho aqui para trazer uma boa noticia p todos vcs q como eu tive pubalgia … Sofri após o nascimento de meu filho por 3 anos com essa dor.. Tinha dificuldades até para andar, fiz mais de 150 sessões de fisioteparia em diversas clínicas… Mas eis q passados, mais de 18 meses de um tratamento, me sinto curada. Moro em Uberaba, e aqui existe uma clínica do Dr. Fábio Lana, que faz alguns tratamentos avançados… Procurei nessa clínica o Dr. Luiz Fernando Araújo que foi quem me tratou e me curou… Ele fez umas aplicações locais com um produto que eu mesma comprava, chamado ácido hialuronico… Enjetou esse ácido com mais um outro por 6 vezes, e hoje posso falar q estou curada, graças a Deus e a medicina…

  31. sidnei 15 de Julho de 2014 20:38

    Eu jogo bola todo o final de semana, todo final de jogo eu saio com a virilha doendo, tem alguma injeção que eu possa toma.

  32. Renato 16 de Julho de 2014 22:16

    Treino corrida de longa distância 70km por semana. Toda vez que termino o treino fico sentino uma dor na virilha puxando para o abdomem inferio. o que devo fazer?

  33. Fernando 5 de Agosto de 2014 19:58

    Ola pessoal, boa tarde. Ja se faz quasemente dois meses que tive uma queda de bicicleta,e machuquei o joelho dir e a virinha esq , e pela falta de conhecimetno e infelismente pela conduta de alguns medicos clinico deliquentes que ficam tentando melhorar a pessoa com medicamento e injeção e nao procuram diagnosticar precisamente com algum enxame especifico e nem encaminha o paciente a um especialista para saber qual e a realidade da situação Ontem fiz uma consulta com um ortopedista, fiz 2RX(joelho e bacia) graças a Deus nao deu nada, agora estou para realizar 3 ressonancias (bacia e coxa esq e joelho dir) imagino q do lado esq esteja com pubalgia, sinto muitas dores , ate estou mim auxiliando com muletas . Qndo estiver o resultado retornarei aqui e precisarei de ajuda de vcs q lutam com isso..A todos desejo muita saúde e fé em Deus. Abraços

  34. Vinicius Vieira 2 de Dezembro de 2014 11:32

    Bom dia, também já estou tratando a 2 meses já fiz 10 sessões de fisioterapia, alongamento, fora remédios que já tomei durante os 15 primeiro dias, receitado pelo ortopedista, após as sessões de fisioterapia a Dra. pediu para fazer um teste leve e não consegui jogar mais do que 10 minutos e sem forçar, a dor é do lado esquerdo e também fica dolorido a bola do saco.
    essa dor no saco é comum?

  35. Pablo Perez 15 de Dezembro de 2014 15:40

    Boa tarde.
    Há uns 3 meses estive aqui no site, em busca de cura para oque até então acreditava ser pubalgia, tb de acordo com 2 ortopedistas. Iniciei seções de fisioterapia, parei com exercícios que fazia, como futebol e corrida de rua e fazi no mínimo duas vezes ao dias seções, alem de tomar antinflamatórios e Arcoxia.
    Fiz raio X e ressonância magnética, nada constou nos exames. Após 20 seções de fisio, nenhuma melhora, nem com os remédios.
    Quando li aqui diversas pessoas sem achar a cura após anos de tratamentos diferentes, me desesperei.
    Porem, num dia que tentei voltar a jogar futebol, DEUS colocou a minha frente um outro jogador, que após o jogo conversando me disse que se curou, porem descobriu que não era pubalgia, mas sim Varicocele. É uma veia dilatada que liga o testiculo à próstata, e causa incomodo constante na bexiga, dores na região abdominal, dores lombares e uma dor aguda do nosso lado esquerdo, que sentimos inclusive uma pontada forte até quando espirramos. Enfim, 2 meses de tratamento, a base de remédios manipulados e estou praticamento 100%, o tratamento pode ser de até 3 meses. E o melhor, pude voltar aos exercícios ja no mesmo dia que consultei o médico, me disse que não influencia no tratamento. Procure um urologista, esse tambem pode ser o seu caso.

  36. Vitor Dias 15 de Dezembro de 2014 17:08

    Olá Pablo
    Obrigado pelo seu testemunho que será com certeza muito útil para quem pensa padecer desta enfermidade.
    Cumprimentos

  37. Rui Plácido 20 de Dezembro de 2014 0:17

    Caros amigos. A pubalgia praticamente desapareceu do futebol profissional, porque há uns anos atrás verificou-se que era sempre concomitante a um desequilíbrio dos grupos musculares na zona púbica. Solução: fazer sempre abdominais centrais, laterais e inferiores em cada sessão de treino do desporto que pratica. Normalmente, os quadrícepes estão sempre muito “trabalhados”, ao contrário dos restantes grupos musculares que confluem na zona púbica. Por exemplo, para um treino de futeb de 1h, deve reservar mais cerca 20 min para fortalecimento abdominal (e lombar). Cheers.

Publique um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Copyright © 2008-2014 Correr Por Prazer ®. Todos os direitos reservados.